Igreja

Papa Francisco: Não se pode ser cristão e viver sob a lei de talião

A missa no estádio Zimpeto foi o último compromisso do Papa em Moçambique. Da sacristia, o Pontífice se dirige diretamente ao aeroporto internacional de Maputo para a cerimônia de despedida.

Com a missa no estádio nacional Zimpeto, na periferia de Maputo, o Papa Francisco concluiu sua visita a Moçambique.

A chuva e o frio não diminuíram o entusiasmo dos milhares de fiéis que aguardavam a chegada do Pontífice com cantos e danças tradicionais.

Em sua homilia, o Papa refletiu sobre uma passagem do Sermão da Planície, contida no Evangelho de Lucas. Depois de escolher os seus discípulos e ter proclamado as Bem-aventuranças, Jesus acrescenta: «Digo-vos a vós que Me escutais: “Amai os vossos inimigos”» (Lc 6, 27).

“ Jesus não é um idealista, que ignora a realidade; está a falar do inimigo concreto, do inimigo real, que descrevera na Bem-aventurança anterior (6, 22): aquele que nos odeia, expulsa, insulta e rejeita como infame. ”

Portanto, explicou Francisco, Jesus não nos convida a um amor abstrato, etéreo ou teórico, redigido em escrivaninhas para discursos, mas a seguir o seu exemplo, pois amou aqueles que o traíram e o mataram.

Alta é a medida que o Mestre propõe!

É difícil falar de reconciliação quando ainda estão vivas as feridas causadas durante tantos anos de discórdia, afirmou, mas mesmo assim Jesus Cristo convida a amar e a fazer o bem. Isso vai além de simplesmente ignorar nosso inimigo, mas implica também abençoar e rezar por ele. “Alta é a medida que o Mestre nos propõe!”

“ Com tal convite, Jesus – longe de ser um obstinado masoquista – quer encerrar para sempre a prática tão usual –ontem como hoje – de ser cristão e viver sob a lei de talião. Não se pode pensar o futuro, construir uma nação, uma sociedade sustentada na «equidade» da violência. Não posso seguir Jesus, se a ordem que promovo e vivo é «olho por olho, dente por dente». Nenhuma família, nenhum grupo de vizinhos ou uma etnia e menos ainda um país tem futuro, se o motor que os une, congrega e cobre as diferenças é a vingança e o ódio. ”

Jesus propõe a primeira regra de ouro ao alcance de todos: fazer aos outros aquilo que gostaríamos fizessem a nós. Isso significa reciprocidade e implica amar-se e ajudar-se sem esperar nada em troca.

Paradoxo humano

O Pontífice faz uma amarga constatação: “o mundo desconhecia – e continua sem conhecer – a virtude da misericórdia, da compaixão, matando ou abandonando deficientes e idosos, eliminando feridos e enfermos, ou divertindo-se com os sofrimentos dos animais”.

“ Superar os tempos de divisão e violência supõe não só um ato de reconciliação ou a paz entendida como ausência de conflito, mas o compromisso diário de cada um de nós. Trata-se de uma atitude, não de fracos, mas de fortes, uma atitude de homens e mulheres que descobrem que não é necessário maltratar, denegrir ou esmagar para se sentirem importantes; antes, pelo contrário… ”

O Papa aponta então para o paradoxo de Moçambique: um território cheio de riquezas naturais e culturais, mas com uma quantidade enorme da sua população abaixo do nível de pobreza. “E por vezes parece que aqueles que se aproximam com o suposto desejo de ajudar, têm outros interesses. E é triste quando isto se verifica entre irmãos da mesma terra, que se deixam corromper; é muito perigoso aceitar que a corrupção seja o preço que temos de pagar pela ajuda externa.”

Agir a serviço de interesses políticos ou pessoais é ser ideológico. Este é o termômetro, disse o Papa.

“Se Jesus for o árbitro entre as emoções em conflito do nosso coração, entre as decisões complexas do nosso país, então Moçambique tem garantido um futuro de esperança.”

Despedida

A missa no estádio Zimpeto foi o último compromisso do Papa em Moçambique. Antes de deixar o estádio, Francisco fez sua saudação final:

“ Irmãs e irmãos moçambicanos, sei do sacrifício que tivestes de fazer para participar nas celebrações e encontros e também que se molharam todos. Espero que com água benta! Aprecio-o e agradeço-o de coração. E agradeço também a quantos não o puderam fazer, em consequência dos recentes ciclones: Queridos irmãos, senti de igual modo o vosso apoio! E digo a todos: tendes tantos motivos para esperar! Vi-o, toquei-o com a mão nestes dias. Por favor, guardai a esperança; não deixeis que vo-la roubem. ”

Da sacristia, o Pontífice se dirige diretamente ao aeroporto internacional de Maputo para a cerimônia de despedida. A próxima etapa é a capital malgaxe, Antananarivo, onde Francisco chegará depois de três horas de voo.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *