Igreja

Papa Francisco: Os sacerdotes têm o direito de saber que têm um pai

Na missa na Casa Santa Marta, Francisco pede orações pelos sacerdotes e bispos, exortando-os a quatro “formas” de proximidade.

Os bispos estejam próximos a Deus com a oração, a seus sacerdotes, próximos entre si e, por fim, ao povo de Deus. Este é o caminho que o Papa Francisco indicou esta manhã (20/09) na homilia da missa na Casa Santa Marta. A sua reflexão foi inspirada nas leituras da Liturgia de ontem e hoje, concentrando-se nos conselhos que o apóstolo Paulo dá ao jovem bispo Timóteo: conselho que prosseguem, depois, também na segunda Carta.

Ontem, no centro desses conselhos estava a exortação a viver o ministério como um dom. Hoje, o cerne da reflexão é o dinheiro, mas também a intriga, “as fofocas, as discussões estúpidas”: todas coisas que enfraquecem a vida ministerial, destacou Francisco.

“Quando um ministro – seja sacerdote, diácono, bispo – começa a se apegar ao dinheiro”, se une à raiz de todos os males, reiterou o Papa, evocando a primeira leitura de hoje, na qual Paulo recorda que a avidez do dinheiro é a raiz de todos os males (1Tm 6,2c-12). “O diabo entra pelo bolso”, diziam as “velhinhas do meu tempo”, voltou a recordar o Papa.

As “proximidades” de um Bispo

Na homilia, Francisco se concentrou nos conselhos que o apóstolo Paulo dá a Timóteo e a todos os ministros nas duas cartas. A serem próximos são chamados, de fato, não só os bispos, mas também os sacerdotes e os diáconos. São as quatro “proximidades” que o Papa indicou.

Antes de tudo, o bispo “é um homem de proximidade a Deus”. O Pontífice recordou que quando os apóstolos, para servir melhor viúvas e órfãos, “inventaram” os diáconos, para explicar bem tudo isso Pedro ressalta que “a nós” cabe “a oração e o anúncio da Palavra”. “A primeira tarefa de um bispo, portanto, é rezar: “dá força”, explicou, e desperta também “a consciência deste dom, que não devemos ignorar, que é o ministério”.

A segunda proximidade à qual o bispo é chamado é aos seus sacerdotes e diáconos, os seus colaboradores, que são os vizinhos mais próximos. “É preciso amar primeiro o seu próximo, que são os seus sacerdotes e os diáconos”, observou:

É triste quando um bispo esquece os seus sacerdotes. É triste ouvir as lamentações de sacerdotes que dizem: “Liguei para o bispo, preciso de um encontro para dizer algo, e a secretária me disse que está tudo lotado nos próximos três meses e não podia…”. Um bispo que sente esta proximidade aos sacerdotes, se sabe que um sacerdote ligou hoje, no máximo amanhã deveria chamá-lo, porque ele tem o direito de conhecer, de saber que tem um pai. Proximidade aos sacerdotes. E os sacerdotes vivam esta proximidade entre si, não as divisões. O diabo entra ali para dividir o presbitério, para dividir.

Cuidado com as ideologias

Assim, advertiu o Papa, começam os grupinhos que “dividem por ideologias”, “por simpatias”. Por fim, a seguinte é a proximidade ao povo de Deus:

Na segunda Carta, Paulo começa dizendo a Timóteo para não se esquecer da sua mãe e da sua avó, isto é, para não se esquecer de onde ele saiu, de onde o Senhor o tirou. Não se esqueça do seu povo, não se esqueça das suas raízes! E agora, como bispo e como sacerdote, é preciso estar sempre perto do povo de Deus. Quando um bispo se afasta do povo de Deus, acaba numa atmosfera de ideologias que nada têm a ver com o ministério: não é um ministro, não é um servo. Esqueceu-se do dom, gratuito, que lhe foi dado.

Em conclusão, o Papa voltou a pedir para não esquecer estas quatro “proximidades”, incluindo a do colégio episcopal e presbiteral: “a proximidade com Deus, a oração; a proximidade do bispo aos sacerdotes e dos sacerdotes ao bispo e dos sacerdotes entre eles e dos bispos entre eles, ou seja, a proximidade filial com Deus e fraternal ou paternal no bispo e nos sacerdotes”. E proximidade ao povo de Deus”. E exorta, com determinação, a rezar para que os bispos e os sacerdotes tenham essa proximidade, “aos seus líderes”: “aqueles que os conduzem pelo caminho da salvação”. “Teria a curiosidade de perguntar-lhes”, continua o Papa, “se vocês rezam pelos bispos, ou se apenas os criticam”:

Vocês rezam pelos seus sacerdotes, pelo pároco, pelo vice-pároco, ou apenas os criticam? Devemos rezar pelos sacerdotes e pelos bispos, porque todos nós – o Papa é um bispo – saibam conservar o dom – não negligenciar este dom que nos foi dado – com esta proximidade.

Leia também

Padres estrangeiros confirmam presença no Retiro Shalom para Sacerdotes


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *