Igreja

Papa indica a médicos católicos a escola de Jesus, “médico e irmão”

Em audiência no Vaticano, Papa afirmou que “curar significa iniciar um percurso: um caminho de alívio, consolação, reconciliação e cura”

Sábado, 22 de junho, ao meio-dia, o Papa Francisco recebeu a Federação Internacional de Médicos Católicos, cujos membros vieram a Roma para a cerimônia de Consagração ao Coração Sagrado de Jesus.

Jesus: “doutor” das pessoas

O Santo Padre fez um discurso no qual destacou como as primeiras comunidades cristãs frequentemente apresentavam o Senhor Jesus como “médico”, sublinhando a atenção constante e compassiva que Ele dedicava àqueles que sofriam de todo o tipo de doenças.

“Sua missão era antes de mais nada estar perto dos doentes ou portadores de deficiência, especialmente daqueles que, por este motivo, eram desprezados e marginalizados. Com esta proximidade compassiva, Ele manifestava o amor infinito de Deus Pai por seus filhos mais necessitados”, disse Francisco, argumentando que o cuidado aos doentes parece ser, portanto, uma das dimensões constitutivas da missão de Cristo; e assim foi também na da Igreja.

Outro ponto fundamental sublinhado pelo Papa foi “a importância do modo como as pessoas são curadas e para isso é fundamental- acrescentou Francisco – seguir a escola de Jesus.”

Curar significa começar uma viagem

Para Jesus, curar significa aproximar-se da pessoa, mesmo que às vezes haja quem queira impedi-lo, como no caso do cego Bartimeu, em Jericó. Jesus chamou-o e disse: “O que queres que eu faça por ti?” (Mc 10,51). Para Ele, curar significa entrar em diálogo para suscitar o desejo do ser humano e a doce força do Amor de Deus, agindo sobre o seu Filho, porque curar – disse o Pontífice – significa iniciar um percurso: um caminho de alívio, consolação, reconciliação e cura.

E em relação a este “caminho de cura de Jesus” com amor sincero, sem esquecer que o ser humano é unidade de espírito, alma e corpo, Francisco ressaltou que o cuidado do Filho de Deus coincide com a elevação da pessoa e o envio daquele que se aproximou e foi curado, pois – afirmou o Santo Padre – “há muitos doentes que, depois de terem sido curados por Cristo, tornam-se seus discípulos e seguidores”.

Escola de Jesus: médico e irmão dos que sofrem

E neste contexto, Francisco indicou que Jesus se aproxima, cuida, cura, reconcilia, chama e envia: como podemos ver, aproximar-se de pessoas oprimidas por doenças e enfermidades é para Ele uma rica relação pessoal, não mecânica e distante.

E é nesta escola de Jesus, “o médico e irmão dos que sofrem”, a que são chamados vocês, doutores que creem nele, membros de sua Igreja. Chamados a estar perto daqueles que estão passando por provações por causa da doença.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *