Igreja

Papa propõe a “oncologia da misericórdia” contra a eutanásia

Uma oncologia da misericórdia: esta foi a expressão utilizada pelo Papa Francisco ao receber, em audiência no Vaticano, pacientes e médicos da Associação Italiana de Oncologia Médica (AIOM).

Não escolher a morte

A Associação foi criada em 1973 e no final de outubro realizará seu XXI Congresso nacional sobre o tema “O melhor tratamento para cada paciente”.

“É assim que a oncologia de precisão se torna também uma oncologia da misericórdia, porque o esforço para personalizar o tratamento revela uma atenção não somente à doença, mas ao doente e às suas características, ao modo como reage aos remédios, às informações mais dolorosas e ao sofrimento”, afirmou o Pontífice.

Este tipo de oncologia, prosseguiu o Papa, vai além da aplicação dos protocolos e revela uma utilização da tecnologia que se coloca a serviço das pessoas. Isso acontece quando a mesma não reduz o ser humano a uma coisa, quando não distingue entre quem merece ou não ser curado.

“ A prática da eutanásia, que já se tornou legal em vários Estados, somente aparentemente se propõe a incentivar a liberdade pessoal; na realidade, esta se baseia numa visão utilitarista da pessoa, a qual se torna inútil ou pode ser equiparada a um custo se do ponto de vista médico não há esperanças de melhora ou não se pode mais evitar a dor. ”

Pelo contrário, disse ainda o Papa, o doente e seus familiares devem ser acompanhados em todas as fases do decurso através de métodos paliativos e estruturas atentas ao valor de cada pessoa.

Por isso, Francisco encoraja os médicos a não esmorecerem diante da incompreensão ou diante da proposta insistente de caminhos mais radicais e apressados.

“Escolhendo a morte, os problemas num certo sentido estão resolvidos; mas quanto amargura por detrás deste raciocínio e que rejeição da esperança comporta a escolha de renunciar a tudo e romper todo elo!”

Tumores e meio ambiente: duas faces de um mesmo problema

O Papa falou também da importância da prevenção, procurando um estilo de vida saudável e respeitoso do corpo e da nossa casa comum.

“A proteção do meio ambiente e a luta contra os tumores se tornam, assim, duas faces de um mesmo problema, dois aspectos complementares de uma mesma batalha de civilidade e de humanidade.”

O Pontífice encerrou seu discurso propondo aos médicos e doentes o exemplo de Jesus, o maior mestre de humanidade, para que inspire a buscar a força de não interromper os elos de amor, a manter viva a amizade com Deus.

“ Que Jesus inspire cada um a fazer-se próximo de quem sofre, aos pequenos antes de tudo, e a colocar os fracos em primeiro lugar, para que cresçam uma sociedade mais humana e relações marcadas pela gratuidade, mais do que pela oportunidade. ”


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *