Igreja

Papa visita a prisão para o Lava-pés: “Por que eles e não eu?”

O vice-coordenador da Pastoral Carcerária Nacional, Padre Gianfranco Graziola, missionário da Consolata, comenta a decisão do Papa Francisco de mais uma vez realizar na prisão a missa com o rito do Lava-pés. Sua reflexão é inspirada na frase que o Pontífice repete com frequência: “Por que eles e não eu?”.

O Papa Francisco volta mais uma vez a celebrar a Ceia do Senhor com o rito do Lava-pés entre os muros de um cárcere, escolhendo este ano Velletri, na Província de Roma. Todas as vezes que Francisco encontra o mundo do cárcere costuma repetir uma frase que virou um lema: “Por que eles e não eu?”

Estas palavras que parecem ser tão simples, na realidade são um grande questionamento que Francisco coloca a si próprio, mas também a cada um e cada uma de nós que acha normal que uma pessoa pague, ou seja, castigada pelos seus atos e, consequentemente, encarcerada.

Mundanismo espiritual

Ajuda-nos a compreender melhor esta provocação do Bispo de Roma o texto da comunidade de João, que, ao invés de nos narrar as palavras da instituição da Eucaristia, coloca no centro o Lava-pés, dizendo-nos que para seguir Jesus é preciso fazer um dúplice movimento: deixar-nos lavar os pés e lavar os pés uns dos outros.

No diálogo entre Jesus e Pedro, sobressai o que muitas vezes nós somos: arrogantes e autorreferenciais, chegando a afirmar como ele: “Tu nunca me lavarás os pés!”. Com o resultado que nossa vida cristã se reduz à superficialidade e ao mundanismo espiritual.

Precisamos ouvir mais uma vez como Pedro as palavra claras de Jesus: “Se não te lavar os pés não terás parte comigo”. É preciso assumir a atitude de serviço, de humildade, de entrega do mestre se quisermos entrar e tomar parte da vida e do projeto dele que Francisco, sucessor de Pedro e Bispo de Roma, expressa não apenas em suas palavras, mas concretamente em suas ações, como o partilhar a mesa com os pobres, com nossos irmãos de rua, com os encarcerados e encarceradas ou visitando nas sextas-feiras da misericórdia realidades e situações que expressam concretamente o lavar e deixar-se lavar os pés – fato que acontece todas as vezes que nos colocamos na escuta atenta e fraterna das dores e das angústias de quem não tem vez e voz, de quem é invisível em nossa sociedade de consumo e muitas vezes também em nossos templos.

Por isso, também um dos últimos gestos de Papa Francisco de se abaixar e beijar os pés dos lideres políticos do Sudão do Sul expressa uma inversão da lógica onde a verdadeira força da transformação está no serviço, expressão da civilização do amor.

João Crisóstomo afirmava:

“ Todas as vezes que vedes um pobre (…), recordai-vos que tendes sob os vossos olhos um altar. ”


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *