Igreja

Pe. Gabriele Amorth: “Cada diocese deveria ter um exorcista ”

O célebre exorcista propõe a retomada dos estudos de angelologia e de demonologia nos seminários e a extensão do ministério do exorcistado a todos os sacerdotes

– Pe. Amorth, falando sobre a figura do exorcista, é verdade que cada diocese tem um?

exorcistaEste é um grande problema. Existem dioceses que não têm. Um bispo me disse que não nomeava um na diocese dele porque tinha medo do diabo. Tem outros que nem sequer acreditam. E tem vezes que os bispos que gostariam de nomear um exorcista não encontram sacerdotes disponíveis para esse ministério, ou, quando encontram, eles não desempenham o ministério com toda a seriedade devida; eles aconselham um psiquiatra ou dão no máximo uma bênção. O resultado? Poucos exorcistas, todos sobrecarregados.

– Por que acontece isso?

Eu acho que é por falta de fé. Há exorcistas nomeados pelos bispos que nem sequer acreditam na existência do diabo… Outras vezes é medo: eles acreditam, mas se iludem, erroneamente, achando que, se o deixarem quieto, ele não vai incomodá-los. Muito pelo contrário: quanto mais você o combate, mais ele se afasta!

– Mas cada diocese não deveria ter um exorcista?

Deveria. Eu quero encontrar o papa e pedir três coisas. Primeiro, que cada diocese tenha pelo menos um exorcista. Segundo, a volta dos estudos de angelologia e de demonologia nos seminários e que os sacerdotes prestes a se ordenar acompanhem pelo menos um exorcismo. Muitos padres jovens começam o ministério sem nenhuma ideia dessas realidades espirituais, com o risco de negligenciar a parcela do povo de Deus que sofre de males espirituais e que, embora não seja tão numerosa, tem direito de ser atendida. Em terceiro lugar, quero pedir que o papa estenda o ministério de exorcistado a todos os sacerdotes, sem necessidade de qualquer permissão especial, deixando cada um livre para exercê-lo ou não. Sua Santidade acha possível, eu perguntaria, que um sacerdote consagre o Corpo e o Sangue de Cristo e perdoe os pecados e depois não possa fazer exorcismos, que não são nada mais do que simples orações, embora específicas?

– Como é nas outras confissões?

Na Igreja ortodoxa não é difícil encontrar um exorcista. Já me disseram, por exemplo, que cada mosteiro na Romênia tem um. Basta pedir. É mais ou menos como acontece conosco no caso da confissão. Antes do século IV, quando foi estabelecido o ministério do exorcistado, era mais fácil encontrar um exorcista: todos os batizados podiam fazer esse tipo de oração, fossem homens, mulheres e até mesmo crianças.

Fonte: Aleteia


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. pesso oraçao para meus filhos caique marcolino silva e pedro marcolino silva junior para seus pais sulameida e pedro…maria passa na frente,

  2. Um dia, quando a Verdade for sem rodeios e sem desculpas assumida, veremos com os olhos da fé o que o da soberba razão nem sequer intuiu: um Éden e, no seu centro, uma Cruz (…); e, descortinadas a mentira e a ilusão, uma turba de seres sem luz, com sede e fome de ruina, circunscritos ao seu asco com os nomes dos nossos pecados… Quem, na obediência da fé, se mantiver ao lado do Éden e da Cruz não sucumbirá ante os golpes opressores de tão hostis criaturas. Elas trabalham ocultamente e confundem as ideias e os pensamentos de letrados e iletrados, enquanto dormem; mal se acordam, na consciência de que estão fazendo o Bem, colocam em prática parte considerável de um antiprojeto (…), movidos por suas intenções pretenciosas, as mesmas que, inclusivemente, visam eliminar, racional e psicologicamente falando, o Mal do mundo e das suas vidas, como meio inescusável de escapulir às próprias responsabilidades e de não assumir as consequências nos atos de suas livres decisões.

  3. Está de parabéns o padre Amorth pelas intenções e iniciativa de achegar-se ao santo Padre para recordar-Lhe da urgente necessidade de haver mais exorcistas em todas as dioceses…

  4. Vou estar em permanente oração para que seja autorizada pelo Santo Padre Papa a preparação de mais sacerdotes exorcistas, pois precisei passar por sessões de exorcismo, agora entendo como tudo isso aconteceu, e percebo a necessidade de muitas pessoas, aqui em Curitiba – Pr temos apenas 3 padres exorcistas, comecei meu tratamento em 16 de Setembro de 2013 e recebi a libertação em 18 de Dezembro do mesmo ano, isso que acontecia comigo era maldição hereditária, mas graças a Deus e Nossa Senhora das Graças estou livre, e pronta para servir a Deus, acredito que quem passa por uma possessão tem conhecimento de causa para ajudar a combater o mal…Deus faz a sua parte, mas 90% se resume na nossa oração diária e em uma vida mais santa.

  5. Concordo plenamente com a teoria do Padre Gabriel Amorim. Vejo que hoje os nossos sacerdotes não são tão bem preparados para assumir seu ministério, todo o sacerdote deveria ser apto a realizar um exorcismo, mas infelizmente nem todos se quer acreditam que podem fazer tal coisa, e também não acreditam no valor do seu ministério, espero que o nosso querido papa Francisco possa retomar muitas coisas importantes que tenham ficado esquecidas ao longo dos anos quanto a formação dos sacerdotes, não basta termos muitos sacerdotes, mas precisam estarem bem formados e informados e serem vocacionados de verdade. Que Deus os iluminem e abençoem.

  6. Eu não tenho conhecimento sobre exorcismo gostaria de ler mais sobre esse assunto e também concordo com o Senhor pois sabemos que o diabo hoje mais que nunca vive com presa a conduzir alma pra seu comando aqui na terra tem que tem alguém que combata em nome de Jesus.

  7. Muitos padres jovens começam o ministério sem nenhuma ideia dessas realidades espirituais, com o risco de negligenciar a parcela do povo de Deus que sofre de males espirituais e que, embora não seja tão numerosa.
    Verdade Pe. Gabriele Amorth. Deus lhe Abençoe por tais orientações.