Shalom

Pecado e Salvação: “há algo em nós que deseja o lugar de maior destaque”

Com o tema “Pecado e Salvação”, Pe. Weber, consagrado da Comunidade de Aliança, realizou a pregação principal deste segundo dia de retiro. Caminhando por Gen 2,8, no qual somos apresentados à Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal e à Árvore da Vida, bem como a realidade do pecado original a partir de Gen 3,1, no qual é retratado uma “fotografia da vida de todo o homem”.

“Quando nos decidimos por nossos desejos, eles nos encaminham à Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, ao nosso intrínseco desejo de nos tornarmos como deuses, como donos de nós mesmos”, afirmou em sua pregação. “Há algo em nós que deseja o lugar de maior destaque”.

Em comparação à essa necessidade vazia de autorrealização e busca por coisas que passam, o padre usou a figura do chester, que só possui o peito estufado, onde nós mesmo queremos nos bastar, buscando “ser a nossa própria paz”.

Numa condução de meditar sobre os frutos da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal na realidade do homem, “que somos todos nós, sem exceção”, afirmou que estes são frutos que nos incham de forma a nos tornar donos de nós mesmos. “Quando eu tomo o fruto da árvore que a serpente me oferece, os meus olhos se abrem. Contudo, Jesus nos disse que os nossos olhos são a lâmpada da alma”. Desta forma, o homem passa a olhar para si, voltando sua atenção à sua nudez. “O homem, que buscava orgulhar-se, sente vergonha. O que resta é a vergonha de si”.

Contudo, como se não bastasse esse olhar sobre sua própria miséria, isento de toda e qualquer misericórdia, o homem também se afasta de Deus. “A segunda consequência desse fruto, é o escondimento do homem diante de Deus”, continuou. “A Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal têm consequências, mesmo que a árvore em si seja bonita, mas tem seus limites”. Dessa forma, o homem na sua busca incansável de saciamento, se encontra sem rumo, visto que nada o preenche: “Eu quero buscar frutos no topo da árvore, mas já alcancei todos e ela já não pode me levar além”. Assim o homem que buscava a paz em si mesmo, em seu ego, é conduzido para uma abismo cada vez maior.

“A paz não é uma coisa que me divide e separa dos outros, mas ela me reconcilia com outro”. Levando a assembleia a meditar sobre a segunda consequência, Pe. Weber apresentou o real significado da primeira pergunta bíblica: “Deus que estava acostumado a encontrar o homem a esperá-lo, talvez, próximo de uma Jabuticabeira, não o encontra mais e se desespera de amor: ‘Onde estás?’ não é um grito de um Pai que anseia julgar seu filho, mas sim apenas reencontrá-lo”.

Assim, para a salvação desse filho que livremente quis se perder, Deus vê a necessidade de que a Árvore da Vida ressurja, que é a Cruz de Cristo, onde estão todas as graças, todas as virtudes: “Quem vai a Cruz de Cristo encontra tudo o que o coração do homem almeja e procura”.

Por fim, explicou que se não fosse na história do homem, que somos todos nós, a triste escolha pela Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal, não conheceríamos a Árvore da Vida, no qual reside o Amor de Deus.

 

 

 

 

Por Jéssica Verônica


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *