Unsplash
Formação

Que presente dar para Jesus?

O Advento é tempo de esperança, porque Cristo é a nossa esperança. Esperança na renovação de todas as coisas, na libertação das nossas misérias, pecados e fraquezas.

Faltam poucos dias para o Natal. Estou um pouco preocupado, mesmo que no Egito não haja tantas preocupações em dar presentes, mas em receber presentes. Sonhei que devia comprar um presente para Jesus e fui para todos os shoppings e todos os mercadinhos de ruas para encontrar alguma coisa para dar a Jesus. Lembrei que os reis magos levavam ouro, incenso e mirra, mas eu não sabia onde poderia encontrar essas coisas, e estava chegando a noite.

Apareceu no meu caminho um menino, que olhando para mim, disse “ghedu” – que em árabe quer dizer “avô” –, onde você vai e que está buscando? Expliquei que queria comprar um presente para Jesus e não sabia nem o que comprar e nem onde. O menino me olhou e disse: “baba” – que quer dizer Pai –, Jesus não quer persente de coisas, mas Ele quer outro presente para o Seu nascimento. Vem comigo.

Fui, o segui e ele me levou numa Igreja e disse: o presente que Jesus quer de você é que você reze, se confesse e recomece todos os dias de novo a ser bom. Isso não se compra com o dinheiro, mas é Deus que dá, dê a Jesus o presente que ele quer. Acordei cedo. Nenhum sinal do menino, mas compreendi que era necessário não comprar presentes para Jesus, mas Ele nos dá o presente do Seu amor. Faltam poucos dias para o Natal.

Colocar um vestido novo sem uma boa confissão desentoa, cheira mal. Precisamos correr enquanto é tempo para uma purificação interior e viver com amor a nossa vocação.

Quero convidar todos os meus leitores a fazer o mesmo, não se preocupar em comprar presentes para Jesus, mas de dar-se a Ele como persente. O nosso coração e o nosso amor para viver em plenitude este novo renascer no Espírito para uma vida nova, cheia de beleza e de graça. É Natal. Colocar um vestido novo sem uma boa confissão desentoa, cheira mal. Precisamos correr enquanto é tempo para uma purificação interior e viver com amor a nossa vocação de missionários, anunciadores do novo tempo de salvação.

Dos pequenos surgirá o Salvador

Sempre gostei do profeta Miqueias. É o menor, quase desconhecido, perdido na floresta dos grandes profetas. A sua mensagem é forte, é corajosa, ele não tem medo de dizer a verdade. Ele é contemporâneo do grande Isaías, contempla a situação de Israel, que vive na escravidão, não consegue se libertar dos inimigos externos e internos. Vê um povo agitado e sem caminho, surdo aos convites de salvação. O profeta então assume uma atitude corajosa e proclama para todos: “Precisamos recomeçar de novo do início, continuar caminho que temos tomado não leva a nada”.

Há um momento na vida em que percebemos que estamos no caminho errado e insistimos a ir em frente e mais vamos em frente e ficamos mais perdidos no emaranhado das vielas da vida. Precisamos parar e voltar atrás e então recomeçar o caminho com novo entusiasmo e coragem. O profeta exalta a pequena cidade de Belém é pequena, desconhecida, mas é a “casa do pão”, e é de lá que precisa recomeçar o novo caminho de libertação, desta cidade vai sair o Messias, o Pão novo, Jesus que irá matar todas as fomes e consolar todos os sofredores. Jesus é a nova Belém, a casa do pão, e o mesmo pão, o novo Pastor que se preocupa com todas as ovelhas para que a ninguém falte sustento e amor. 

Deus está cansado de sacrifícios

Você consegue imaginar que maravilha que é na véspera de Natal a Igreja nos propor como texto meditativo um trecho da Carta aos Hebreus, o teólogo, o místico do Novo Testamento que quer provar como Jesus é o esperado e a síntese da antiga e Nova Aliança? Na verdade, o autor é anônimo, sem nome, mas influencia a nossa vida e nos diz algo que devemos meditar bem. Não há maior sacrifício que fale de salvação e de amor de Deus do que a oferta do Seu único Filho Jesus, enviado ao mundo para realizar a pacificação com todas as coisas e com a humanidade. Uma paz que é possível pelas palavras do mesmo Jesus ao entrar no mundo: “eis-me aqui para fazer a tua vontade”.

Jesus veio, se fez carne, habitou entre nós e nos mostrou assim qual é caminho que devemos seguir para entrar no Céu: fazer a vontade do Pai. E qual é esta vontade? Amar, fazer o bem, ser oferta agradável, ser sacrifício sem mancha, este sacrifício novo, não é mais touros e cordeiros e pombas, mas sim o corpo sem defeito do mesmo Senhor Jesus. O Natal nos chama a oferecer a nós mesmos como presente a Deus, à imitação de Jesus, e a dizer com fé e confiança “eis-me aqui para
fazer a tua vontade”.

A bem-aventurança da fé

Quando estou muito feliz leio este texto do Evangelho e quando estou muito triste leio este texto, porque considero a bem-aventurança da fé autêntica, verdadeira, o cântico que precede o grande cântico do Magnificat, encontro de quem tem fé na força do Senhor. A fé de Isabel, que canta a fé da Virgem Maria e a fé de Maria, que canta a fé de Isabel, nós devemos reaprender o elogio da fé do outro e sentir-nos, cada um de nós, apoiado pela fé e pelo exemplo dos que caminham conosco. Caminhando juntos, o caminho se faz menos difícil e menos duro. É cantando e caminhando que as distâncias desaparecem. Sempre quando queremos superar as dificuldades cantamos a Deus e agradecemos.

A fé de Maria nos convida a colocar-nos a caminho para visitar os que necessitam de nossa ajuda, o que alegra como um presente o mesmo Jesus que trazemos no nosso coração. Maria vai feliz e com pressa, mas não tem pressa para voltar, vai ficar o tempo que é necessário para ajudar. A fé de Maria nos insere no mistério dos pobres de Javé, que esperam tudo do Senhor e de si mesmos, dando tudo o que tem, coragem, coisas, fé, caminhando juntos, nunca separados. É Natal. Vamos com Maria a visitar as “Isabéis” que esperam ajuda, e com Isabel saibamos agradecer às Marias que nos trazem Jesus. Façamos nossa orações com o primeiro capítulo de Lucas.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *