Formação

Frei Patrício: Quem não é missionário não é cristão

O cristão mergulhado no Batismo de Jesus, consagrado e ungido por ele, assume toda a vida de Jesus na medida do possível, e um aspecto da encarnação é a missionariedade.

A Palavra de Deus nos coloca sempre com as costas contra a parede e nos obriga a dar uma resposta positiva ou negativa. Ninguém, diante de Jesus, pode ficar por muito tempo em cima do muro. Vivemos num mundo social e religioso, onde parece sempre mais difícil tomar decisões que tenham caráter definitivo.

Há um medo terrível de pronunciar a palavra sempre, seja no matrimônio, na vida religiosa, no sacerdócio, e mesmo para a vida. Estas teorias da chamada morte feliz, a eutanásia, suicídio assistido… posso compreender que em determinados momentos de dor, de doença se possa invocar a morte. É normal. Mas não se pode aceitar que isso seja apoiado por pessoas que têm sentido humano, fraterno e cristão.

Viver, mesmo numa cama doente, é sempre melhor do que a morte, e Deus ama a vida. Ele nos dá a força para caminhar para a porta da morte, que nos introduz no paraíso, quando o Senhor da história e da vida nos abrirá a porta. Mas eu queria tocar um tema que me parece importante: a missionariedade.

O cristão mergulhado no Batismo de Jesus, consagrado e ungido por ele, assume toda a vida de Jesus na medida do possível, e um aspecto da encarnação é a missionariedade. Por que Jesus se fez carne, veio entre nós? Não por turismo e nem para viver sem compromisso. “Vim trazer o fogo e quero que este fogo incendei a terra, vim para servir, vim para anunciar a liberdade, a vista aos cegos, a saúde aos doentes, o perdão e a misericórdia, especialmente”.

Não podemos esquecer que o mesmo Jesus, antes de voltar para o céu, para o seio do Pai, de onde tinha vindo, ele mesmo nos dá uma ordem clara: Ide pelo mundo afora a pregar o Evangelho e fazer discípulos. Esta é uma missão a qual não podemos fugir, devemos assumir. Quem se diz cristão deve sentir-se enviado a ser missionário.

Uma igreja que não é missionária nega a sua vocação.

O Papa Francisco nos convida diariamente a sermos missionários nas três vertentes.

1. O anúncio com a palavra: falar de Jesus, mesmo que os outros não queiram escutar, devemos anunciar, sempre, sem agressividade, sem triunfalismo, com amor, com respeito pelas outras religiões, mas calar sim é pecado.

2. O anúncio do Evangelho com gestos que são a revelação da fé, da caridade, do amor, do perdão, da solidariedade, sem distinção de pessoas é a melhor maneira para que os outros, vendo as boas obras dos cristãos, glorifiquem Pai do céu.

3. O anúncio do Evangelho com a oração. A força da oração é o fermento da videira da missionariedade. É com esse caminho que o Evangelho se vai estender pelo mundo afora. Tu és cristão, tu és missionário.

Maldito x Bendito

São duas palavras muito usadas na Bíblia, me parece que a encontramos em todos os livros da Bíblia, essas palavras têm um sentido forte e designam quem segue Deus e quem não segue Deus. É claro que Deus não amaldiçoa ninguém, mas qual é a identidade do maldito e do bendito? Maldito, ou seja, sem benção é o ser humano que não confia em Deus e coloca a sua confiança só nas coisas humanas.

Poderá até prosperar aqui na terra, mas não na vida eterna….

É como cardo no deserto, seco e sem alegria… Sem Deus não podemos fazer nada e não somos nada. Infelizmente vivemos colocando mais confiança no dinheiro do que na providência. Eu mesmo, muitas vezes, me surpreendo com isso e tento reconverter-me.

Bendito o homem feliz, que coloca a sua certeza em Deus e sabe que Ele é o pastor que nos conduz sempre por caminhos que às vezes não conhecemos. O homem bendito “é como a árvore plantada na margem das águas correntes: dá fruto na época própria, sua folhagem não murchará jamais. Tudo o que empreende prospera” (Sl 1,3-4).

Não há caminho do meio; ou com Deus o sem Deus. Cabe a nós a escolha.

E se não existisse a vida eterna?

Essa dúvida perturbou também o coração do apóstolo Paulo e de muitos féis de Corinto, e Paulo sentiu a necessidade de dar uma resposta clara, cheia de esperança. Ele é consciente da autenticidade da sua pregação. Jesus Cristo ressuscitou. Ele apareceu a tantas pessoas e por último a Paulo mesmo. Por que tem por aí pessoas que gostam de fazer confusão na cabeça e no coração dizendo que Jesus não ressuscitou? Tinha ontem, tem hoje e terá amanhã… Paulo reconhece que quem não acredita na ressurreição de Jesus é um ser humano fracassado, desesperado aqui na terra. Só a ressurreição nos dá força e coragem. Sem a certeza da ressurreição somos as pessoas mais dignas de compaixão.

Hoje em dia existem tantas ideias contra a fé, que nem quero saber, não me fazem perder a fé, mas me perturbam. Quando do vejo pessoas que querem, depois da morte, espalhar suas cinzas pelas florestas, pelos rios, quase negando a ressurreição, fico triste. Eu repito muitas vezes ao dia: “creio na vida eterna e na ressurreição dos mortos”. Mas, como será isso? Isso não é meu problema. É problema de Deus, e o que para mim é impossível para ele é possível. 

Ser missionário das bem-aventuranças

Sem dúvida, uma das pregações mais belas que Jesus fez foi a das bem-aventuranças. Gosto imensamente do estilo de Lucas, que coloca as bem-aventuranças como via de seguimento do povo de Deus. É tempo de assumir com coragem a nossa missionariedade cara a cara, sem medo de ficarmos sozinhos, de abrir novos horizontes, onde Jesus deve ser sempre o ideal de toda a nossa vida. É através do lento processo de conversão que somos libertos de nossos pecados e capazes, uma vez libertos, de libertar os outros. O melhor projeto de santidade é o das bem-aventuranças.

Por fim, fiquemos com as palavras do Papa Francisco: “A força do testemunho dos santos consiste em viver as bem-aventuranças e a regra de comportamento do juízo final. São poucas palavras, simples, mas práticas e válidas para todos, porque o cristianismo está feito  principalmente para ser praticado e, se é também objeto de reflexão, isso só tem valor quando nos ajuda a viver o Evangelho na vida diária. Recomendo vivamente que se leia, com frequência, estes grandes textos bíblicos, que sejam recordados, que se reze com eles, que se procure encarná-los. Far-nos-ão bem, tornar-nos-ão genuinamente felizes”. (Gaudete et Exsultate, 109).


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *