ESPECIAL

Homem Segundo o Coração de Deus

O especial “Homem Segundo o Coração de Deus” traz para você, homem católico, casado, solteiro e também para as mulheres, uma explanação sobre esse novo serviço formativo direcionado para homens de caminhada na Igreja.

Esse serviço se expressa em alguns canais específicos como Blog, grupos de WhatsApp, grupos no Facebook, artigos, podcasts, um livro que está sendo escrito e principalmente pela realização de retiros em todo o Brasil com homens católicos, promovidos pelos centros de formação da Comunidade Católica Shalom.

A proposta é apoiar a caminhada de varões na Igreja, Família e Sociedade, para que possam responder ao chamado divino, compreendendo melhor sua identidade e missão como homem.

Confira abaixo o que preparamos para você!

ENTREVISTA - FORMAÇÃO - PODCAST - TESTEMUNHOS - GALERIA - DATAS DOS RETIROS


 

ENTREVISTA

Carmadélio Sousa

Blog, retiros, formações e futuramente um livro, tendo sempre como foco principal o "Homem Segundo o Coração de Deus", Carmadélio Sousa, consagrado da Comunidade de Aliança Shalom, em meio a todas essas atividades, concedeu uma entrevista ao comshalom. Ele fala sobre como tudo começou, o sentido da evangelização e as ações realizadas em vista da formação de homens maduros e seguros de seu chamado e missão dentro da Família, Igreja e sociedade.

SH: Carmadélio, você poderia falar um pouco sobre o lançamento do Blog “Homem segundo o coração de Deus” e como tudo começou?

Carmadélio: Na verdade, as coisas foram acontecendo de forma espontânea. Há três anos, criamos um grupo fechado no Facebook chamado “Homens Segundo o Coração de Deus”, que hoje conta com 1.981 homens católicos de todo o Brasil. Ele foi a inspiração para a realização dos retiros presenciais com o mesmo nome em todo o país. Depois de cada retiro foram surgindo grupos no WhatsApp, vieram outros retiros e o livro que está sendo escrito. Agora foi lançado o Blog no portal comshalom. Todos apontam para esse mesmo serviço formativo.

SH: Como acontece esse "serviço formativo" em um retiro exclusivo para homens?

Carmadélio: Chamo de serviço formativo essa dedicação mais especifica na formação dos homens à luz da nossa fé católica. Há muito tempo, antes mesmo dessa inspiração, vinha pregando retiros para casais e fui percebendo em cada retiro a imensa necessidade que os maridos tinham de uma formação mais especifica que levasse em consideração também, além da dimensão espiritual, sua dimensão humana. Percebi também a mesma necessidade ao fazer acompanhamento de homens solteiros.

Vi que poderia oferecer minha pequena contribuição se criasse um espaço exclusivo para homens que levasse em conta certas características nossas. Uma delas, a ‘reserva no falar de si’, talvez fosse rompida em espaço discreto, onde pudéssemos livremente abordar nossos desafios em viver nossa fé como homens, falando e ouvindo outros homens de caminhada na Igreja. Fui surpreendido o quanto os ‘caras’ se abriam à medida que o retiro ia acontecendo, criando entre nós um vínculo muito forte de companheirismo, solidariedade, amizade e percebendo o quanto somos parecidos. Essa experiência rompe um pouco, pelo menos no fim de semana, aquela couraça onde nos escondemos de nós mesmos e dos irmãos, permitindo que tenhamos acesso a camadas internas de nossa alma e de nossa humanidade antes talvez nem percebida. Homens tendem a falar entre si de ‘coisas externas’’ e de como solucionar questões e problemas’, raramente se permitem falar de si.  No retiro, cada um é convidado a falar de si e isso liberta!

SH: Em  que aspectos o retiro tem ajudado os participantes?

Carmadélio: Esse “olhar” mais especifico proposto pelo “Homem Segundo o Coração de Deus” tem ajudado os irmãos a perceberem melhor a necessidade da integração "corpo e alma", base de sustentação para o autêntico seguimento de nosso Senhor Jesus Cristo. De maneira geral, a "masculinidade" não é um tema que se aborda com frequência dentro da Igreja, fala-se às vezes de desafios masculinos, como por exemplo a questão da sexualidade ou a crônica dificuldade masculina com a oração, mas não se propõe nada que atinja os alicerces da masculinidade na perspectiva da antropologia bíblica, da lei natural.

Muitas vezes nos restringimos a atacar questões morais, necessárias, mas não mergulhamos na alma masculina. Essa é a questão! O homem precisa saber que tem uma alma e que tem um corpo! São duas dimensões que expressam o ser “pessoa”. Tenho percebido que, quando mergulhamos na humanidade masculina, ela naturalmente “pede” a complementação da dimensão espiritual presente em sua alma. Não são duas opções distintas, mas a forma como a pessoa humana, masculina ou feminina, se expressa no mundo.

Ademais, com toda a problemática trazida pelas ideologias, do gênero e do feminismo, o homem precisa se reposicionar, não respondendo ideologia com ideologia, mas sendo cada vez mais Homem, segundo o Coração de Deus, mergulhando no desígnio original do criador, retornando "ao princípio" expresso na criação do homem e da mulher criados à imagem de Deus. Não perdemos tempo denunciando erros ideológicos, mas buscando reencontrar nosso chamado original, isso acontecendo, saberemos com muita tranquilidade separar o trigo do joio.

SH: Alguma mulher participa do retiro?

Carmadélio: Sim, Nossa Senhora não falta! (risos) Muitas mulheres dizem, brincando, que gostariam de ser uma “mosquinha” para ouvir o que se fala nesse retiro só de homens. Na verdade, o objetivo do retiro não é fechar o homem nele mesmo, numa espécie de "resgate da masculinidade perdida", até porque no retiro questionamos muito dos lugares comuns que culturalmente associam aos homens, sendo muitos deles deformações da saudável masculinidade. Muito do que se diz hoje como definição do que é ser homem passa bem longe da lei natural e da antropologia bíblica.

SH: Como falar de “masculinidade” à luz da “feminilidade”?

Carmadélio: A vivência de nossa fé também vai nos ajudando a purificar, à luz da autêntica conversão, certos códigos culturais masculinos incompatíveis com o que se espera de homens de Deus, onde Jesus Cristo, homem, é o modelo! Como falamos no retiro, existe uma gritante diferença entre ser homem e entre ser macho. Todo homem é macho, mas nem todo macho é homem. Esse linguajar “na lata”, sem ser vulgar, atinge os homens que se identificam muito com a abordagem honesta de seus desafios.

A missão é essa: apropriar-se dos autênticos dons de serviço e de complementação dados pelo criador aos homens para que, pelo auto sacrifício, possam dar a vida, amando, cuidando, protegendo, provendo, liderando sua família, servindo à Igreja e sustentando a sociedade a partir de seus específicos dons masculinos. Essa homogeneidade defendida hoje pelas ideologias negando nossas diferenças em relação às mulheres destrói a riqueza da complementaridade e compromete a compreensão do autêntico amor humano entre homens e mulheres no matrimônio monogâmico

Ademais, não tem sentido falar de “masculinidade” se não for à luz da “feminilidade”, posto que homem e mulher foram criados um para o outro. Um espelha o outro.

No fim, embora falemos primordialmente de nossa realidade masculina, falamos, no bom sentido, também das mulheres! O que os faz sair do retiro ainda mais maravilhados com o dom que é a feminilidade. Fazemos eco a Adão colocando em nossa boca sua célebre frase: “Essa sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne”.

SH: Como os homens interessados podem participar dessa direção formativa “Homem Segundo o Coração de Deus?

Podem pedir ingresso no grupo do Facebook -  tendo o cuidado de não confundir o nosso com um grupo adventista que tem o mesmo nome. Pode também participar dos retiros realizados em todo o Brasil, onde as datas estão divulgadas abaixo. Lembro porém que o retiro é somente para homens de caminhada na Igreja, acima de 18 anos.

O retiro inicia-se na sexta-feira à noite e termina no domingo às 18 horas. Dúvidas e perguntas sobre o retiro podem sanadas no WhatsApp 85 997940580.

FORMAÇÃO

3 pressupostos importantes

Posso falar com absoluta certeza que esse é o anseio de todos os homens! De maneira especial, nós homens sabemos de onde o Senhor no resgatou e como vivíamos outrora longe dele e de sua vontade! Com mais facilidade até do que as mulheres, rapidamente fomos envolvidos pelos anseios e paixões do mundo e entregamos, sem muita luta, nosso coração a outros senhores que não o Senhor do céu e da terra!

Graças à misericórdia divina fomos encontrados pelo Deus que nunca desistiu de nós, mesmo quando “ouvindo seus passos no jardim” ( Cf Gênesis 3) tivemos medo e nos escondemos. ELE nos encontrou e hoje estamos em processo de conversão na busca de sermos novos homens, segundo sua vontade, na luta diária contra o pecado, o demônio e o mundo que não esquece do tempo em que éramos escravos e a eles ‘pertencíamos’.

Ser homem ‘segundo o coração de Deus’ não é uma resposta imediata, acontece dentro de nossa caminhada e é um processo paralelo à conversão, onde vamos assumindo pouco a pouco nosso chamado específico partindo de nossa filiação divina, nosso primeiro chamado! Nosso nome masculino, dado no batismo, aponta isso!

Esse processo de sermos homens segundo o coração possui de alguns pressupostos, cito três:

1° - Ser homem é uma vocação

Como cristãos, cremos que Deus é o autor da vida e que fomos chamados a existência a partir de sua vontade positiva com a colaboração de nossos pais. Somos a realização da vontade de Deus que nos criou e que, em seus insondáveis caminhos, pensou em nós desde o princípio como homens. Ter nascido homem não foi fruto de uma casualidade biológica, nem resultado do desejo de nossos pais e menos ainda escolha nossa. Deus quando pensou em nós, pensou como varão e isso é MUITO importante para respondermos a aquilo que ele espera de cada um.

Importa acolher esse chamado de forma profunda e autêntica. Importa homens que se sentem felizes em serem homens, que não rejeitam o chamado, mesmo que ele traga marcas, desafios e lacunas do passado por causa do pecado pessoal ou de outras pessoas. Importa homens que estão na batalha para a reconquista do espaço perdido através da cura, do perdão e da aceitação plena de si. Importa homens que querem servir a sua família, Igreja e sociedade sem rivalidade com as mulheres nem que se deixam esvaziar pelas ideologias. Importa homens que rezam e que sabem que sem intimidade com Deus não conseguirão. Importa homens que não se deixam escravizar pelos impulsos e paixões, que buscam se ter para assim poder se dar!

2° - Tudo o que Deus espera de nós passa por esse segundo chamado

Casar, ser sacerdote ou celibatário, ser solteiro, se consagrar ou não dentro de uma vocação, ser filho, esposo, pai, cidadão, membro da Igreja. Tudo passa por nossa masculinidade. Não há como responder a outros chamados que Deus nos faz se não formos capazes de o fazer como homens, e embora isso pareça óbvio, não é tão simples e automático assim.

Sabemos que, como qualquer vocação, o chamado por si só não vem com todas as possibilidades desenvolvidas, mas em potência, em latência. Ou seja, crescemos como homens, crescemos em nossa consciência do que é ser homem! Infelizmente muito dos conceitos que trazemos sobre o que é ser homem está em desacordo com o plano divino e traz marcas do pecado e de vivências culturais associadas ao mundo masculino que nos ensinaram muitas coisas de forma errada.

Nascemos biologicamente homens e esse dado vai acompanhar todos os processos de desenvolvimento de nossa masculinidade em nossa história de vida. Podemos dizer que somos homens em processo de aprendizagem.

O tal “homem de verdade” é apenas um arquétipo necessário que serve, se bem compreendido, para nos fazer caminhar no rumo de nosso crescimento pleno como homem, dentro da “imperfeição” imposta pela nossa condição de pecadores e fracos. Se mal compreendido será fonte inesgotável de frustração e angustia na medida que impõe certos padrões que o homem comum não consegue viver, o que gerará sempre a sensação de “não se ser homem suficiente diante do próprio julgamento”.

A realidade é teimosa e diante dela caem as imagens fantasiosas impostas por certos padrões que acabam por desumanizar nossa masculinidade. Exemplo típico é o “Homem de verdade não chora”, uma mentira que nos impede de ter acesso a nossos sentimentos, posto que nossa afetividade é um dado de nossa humanidade que independe de sexo e nos dá, de “presente”, a raiva como única forma válida de expressar o que sentimos.

Subjacente a isso existe a visão desumanizadora do homem que precisa ser SEMPRE forte, duro, insensível, nunca demonstrar fraqueza, como se algum homem conseguisse SEMPRE ser tudo isso. Até Jesus, nosso modelo perfeito de homem, chorou. Ao dizer isso, queremos afirmar que existe uma forma masculina de viver essas realidades humanas que não seja a negação ou a superação desumanizadora do super-homem que só existe no cinema.

3° - Não existe homem segundo o coração de Deus que não passe, de alguma forma, pela relação com a mulher

Talvez, pareça surpreendente falar nisso já que nem todos os homens são chamados ao matrimônio. Na verdade, a criação do homem e da mulher criados a imagem e semelhança de Deus fazem parte de um projeto divino que inclui a coexistência dos dois dentro da história humana em permanente relação de complementação e apoio mútuo no amor, independente do matrimônio.

Homem e mulher são expressões da própria realidade da Trindade onde as três pessoas divinas se relacionam e se doam mutuamente, de forma permanente, cada um mantendo sua individualidade sem, no entanto, se perderem numa espécie de fusão monolítica. Deus embora uno, não é solitário!

Homem e mulher apontam um para o outro, se necessitam e se complementam! Não se pode, em nome da busca de ser um homem segundo o coração de Deus, se fechar dentro de um “masculinismo”, um certo cultivo de virtudes e dons masculinos em um processo de autorreferencialidade egoísta onde o homem acabaria se perdendo nessa relação estéril consigo mesmo. Viver em função de si é o segredo da infelicidade.

Para os homens isso é um grande desafio, já que tendemos naturalmente, por causa de nossa objetividade e foco no fazer, a perdermos de vista nossa necessidade do outro, principalmente da mulher como pessoa, muitas vezes reduzida a apenas corpo. Ser homem segundo o coração de Deus implica, portanto, viver como homem SEGUNDO o desejo do criador e o desejo do criador é que não sejamos fechados nem egoístas. De nada adiantaria sermos homens para outros homens. Faltaria a complementação e o enriquecimento mútuo que só pode vir do outro.

PODCAST

Reflexões sobre o ser homem

Carmadélio Sousa comenta os desafios, a vocação, as marcas, a fé e a vivência do ser homem segundo o coração de Deus. O consagrado fez essa reflexão por ocasião do Dia do Homem.

Ouça o conteúdo

Homem segundo o coração de Deus I

Homem segundo o coração de Deus II

Homem segundo o coração de Deus III

TESTEMUNHOS

Solteiros e Casados

* Não divulgamos o nome dos participantes para preservar a intimidade deles

Homem Solteiro

O retiro foi além do que eu esperava, e olha que eu já esperava muito desse retiro. Nos últimos tempos, eu estava refletindo sobre meu estado de vida e tendendo entender vários fatos no meu modo de agir e sentir. Nesse retiro/curso pude compreender e as peças se encaixaram. Agora tudo faz sentido e posso enfim trabalhar essas áreas na minha vida. De fato, buscamos uma referência masculina e não percebemos. O comportamento e/ou ausência do meu pai durante minha infância, realmente deixou marcas que eu nunca havia imaginado. Nós homens necessitamos mais do que imaginamos desse momento de conversas e partilhas rasgadas, com respeito, veracidade, fundamentação e sem rodeios, necessitamos ouvir e entender muitas coisas, e esse retiro proporcionou isso. 

Meu modo de agir no namoro e a visão de casamento também mudou, hoje já consigo trabalhar também essa área. Sair de mim mesmo e conseguir falar e ouvir experiências íntimas foi um “alivio”. Desde o retiro, começou a nascer em mim um NOVO HOMEM. Esse retiro foi um divisor de águas na minha vida, e desejo que ele alcance milhares de outros homens. Todos necessitam, mas poucos sabem dessa necessidade. O retiro já está dando muitos frutos, e por este motivo quero agradecer mais uma vez por doar sua vida em prol de nós. Que Deus o abençoe!

Homem Casado

A partir desse encontro, vi que sou um homem que tem que mudar muito pois, quando foi perguntado qual a nota que eu me daria de 0 a 10 no começo do retiro, dei um 8, mas vi depois que seria 4 ou 5 pois tenho um tempo de caminhada, mas não como um homem segundo o coração de Deus. Hoje posso dizer que, com esse retiro, tenho que buscar todos os dias o coração de Deus para que eu possa ser um homem dEle, esposo e pai segundo sua vontade, não esquecendo que quando Deus me chamou a vida Ele me chamou como homem! Obrigado por fazer parte de minha história de vida e salvação.

Homem Casado

Foram dias que pude ver que ainda preciso crescer muito como homem em Deus. Há uma grande diferença entre ser um homem pleno e acreditar ser um homem pleno. Pude aprender que para ser um homem pleno é necessário abraçar aquilo que Deus nos chama a ser e não viver o conceito que o mundo nos chama a ser. Errei por muitos anos vivendo a ilusão que já tinha alcançado a maturidade como homem, talvez quando nós mesmos tomamos o lugar de Deus em nossas vidas caímos nesta ilusão e tentação. Viver a ternura e a mansidão com minha esposa é uma missão a ser cumprida, não posso deixar que isso dure somente por um tempo e sim que seja um meio de vida dentro do matrimônio. Sei que não será fácil cumprir isso todos os dias, mas afinal nossas esposas na verdade são heroínas de nos aguentar (grosserias, falta de paciência, prepotência, orgulho, ira etc.) e ainda por cima nos amar. A pergunta é como iremos retribuir todo este amor? A definição sobre o homem que se tem foi o que de melhor eu poderia aprender nesse retiro, é exatamente o que todos nós queremos: dominar nossos impulsos e nossas paixões. Que Deus nos ajude dar esse passo.

Homem Solteiro

Deus me deu uma grande graça: na medida que o Carmadelio partilhava sobre a realidade e a beleza do ato conjugal na vida matrimonial, eu me sentia revisitado em minhas memórias e sentimentos de criança. Por nunca ter ouvido um homem de referência falar sobre o tema com respeito e zelo, eu tinha uma visão corrompida e pecaminosa sobre o ato conjugal, mesmo quando pensava nisso dentro do casamento. E ao ouvir o Carmadelio falando de forma aberta, com respeito e sacralidade sobre o tema, algo em mim foi acessado e curado. Acho que foi a maior graça que experimentei no retiro.

GALERIA

Retiros pelo Brasil

PROGRAME-SE

Próximos Retiros

Fevereiro de 2019

Maceió - 22, 23 e 24

Março de 2019

Quixadá - 15, 16 e 17

João Pessoa - 29,30 e 31

Abril de 2019

Aracaju - 12, 13 e 14

Maio de 2019

São Luís - 3, 4 e 5

Recife - 17, 18 e 19

 Junho de 2019

Goiânia - 31, 1 e 2

Imperatriz - 14, 15 e 16

Palmas - 28, 29 e 30

Julho de 2019

Mossoró - 19, 20 e 21

Agosto de 2019

Macapá - 2, 3 e 4

Setembro de 2019

Campinas - 27, 28 e 29

Outubro de 2019

Florianópolis - 11, 12 e 13

Juazeiro Norte - 25, 26 e 27

Novembro de 2019

Ponta Grossa - 29, 30 e 1

Dezembro de 2019

São Paulo - 20, 21 e 22

Contato: 85 997940580


EXPEDIENTE

COMUNIDADE CATÓLICA SHALOM
ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO
PORTAL COMSHALOM

Textos: Ângela Barroso, Carmadélio Sousa e Jonas Viana | Imagens: Ângela Barroso e Pexels | Layout de Página: Jonas Viana.