Formação

Emmir Nogueira explica o Segredo da Divina Providência

Meditando sobre o capítulo seis do Evangelho de São Mateus, Emmir explicou que Jesus revela a oração, o jejum e a esmola como formas de se relacionar com o Pai que vê o segredo.

A Economia do Reino está baseada na lógica do dar-se ao outro, explica a co-fundadora da Comunidade Católica Shalom, Emmir Nogueira, no curso “O segredo da Providência Divina”. Segundo Emmir, Jesus revela a mentalidade do Pai, a maneira pela qual Ele rege a Sua casa. “Jesus vai trazer na sua pregação e na sua vida a mentalidade da economia do dar-se.

O segredo é dar sempre. O filho que da de si mesmo para se enriquecer da sua pobreza. A lógica inaugurada nas bem-aventuranças é a lógica de dar sempre ao outro, esvaziar-se para que o outro tenha vida. Essa é a base da oikonomia, da mentalidade do Reino do Pai”, explicou.

A lógica do mundo

De acordo com Emmir, a lógica deformada do mundo gerou uma mentalidade de desconfiança do Pai. A confiança em Deus passou a ser depositada nos bens e é isso que dificulta a partilha.

“Nós hoje vivemos numa sociedade sem pai. A figura do pai como alguém fraco, que não manda mais na própria casa. Os filósofos materialistas propagaram a morte do pai e a psicologia propaga que é preciso matar o pai para ficar adulto. Isso produziu na nossa mentalidade uma enorme desconfiança do Pai. O meu Pai do Céu, que entregou o filho para que eu viva, hoje não merece mais a minha confiança. Eu prefiro confiar mais nos meus bens do que no meu Pai. E a lógica do Reino é o contrário de tudo isso. Eu tenho um Pai e por isso eu posso confiar todos os aspectos da minha vida, inclusive e necessariamente, a partilha dos meus bens”.

“Quando ingressamos em uma Comunidade Nova o nosso sonho era Atos 2 e Atos 4 que diz que os cristãos tinham tudo em comum. Um só coração e uma só alma. Ninguém considerava exclusivamente seu o que possuía, mas tudo entre eles era comum. Com grande poder, os apóstolos davam testemunho do Senhor. Não havia entre eles necessitados nenhum. É possível nós hoje batizados caminhar decididamente para construir esse tipo de relação com o irmão? É possível que a minha conversão seja tão profunda para me fazer adotar a lógica de Deus que confiou a mim a criação para que não houvesse necessitados entre nós?”, indaga a consagrada.

Partilha de vida e de bens

A confiança no Pai leva à partilha de vida e de bens, explica a co-fundadora. “Ou nós caminhamos decididamente para a partilha da vida e a partilha dos bens ou nós não estaremos vivendo o Evangelho. Ou nossos bens são colocados a serviço dos outros ou eles não tem sentido”. E continuou, “quando nós usamos os nossos bens como maneira de dar a nossa vida, como sinal de partilha; quando entendo que a partilha dos bens é um assunto espiritual, a minha vida começa a mudar”.

Meditando sobre o capítulo seis do Evangelho de São Mateus, Emmir explicou que Jesus revela a oração, o jejum e a esmola como formas de se relacionar com o Pai que vê o segredo. “O teu Pai que vê no segredo te recompensará. O que o Senhor quer de nós começa numa vida íntima com Ele. O que Ele quer encontrar em nós é uma vida interior sem a qual tudo será exterioridade. Precisamos falar em primeiro lugar de vida interior, de vida profunda com Deus”.

“Deus é a causa primeira e espera que nós sejamos causa segunda na sua criação”

A lógica do Evangelho

Quando Deus confiou as criaturas a seus filhos, fez deles também canais da Sua Providência. “Deus é a causa primeira e espera que nós sejamos causa segunda na sua criação. Deus é em quem começa toda doação, toda lógica do Evangelho. Mas a mim cabe ser causa segunda da Providência Divina para o meu irmão. Receber dessa causa primeira e ser causa segunda para o meu irmão. Eu sou responsável pelo meu irmão em tudo”.

“Se nós gerimos a nossa vida, se gerimos os nossos bens segundo nossos conceitos idolátricos e pagãos não estamos vivendo o Evangelho. Para Jesus ser o Senhor, Ele tem que ser o centro e tudo convergir para Ele. E quando tudo converge para Ele, tudo é doação da minha vida para a Cruz e Ressurreição”. E, finaliza, “se a nossa vida for doada, que é o mais importante, como com a nossa vida nós não vamos doar tudo que nós temos? Como não ofertaríamos com isso todas as coisas? Vamos ter a coragem de rezar e ensinar os nossos filhos que é possível não haver necessitados no meio de nós. Peça a Jesus a conversão do coração e a conversão do bolso, que no final é a mesma coisa”.

Ajude-nos a evangelizar


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *