Shalom

Ronaldo Pereira concedeu entrevista à Revista Shalom Maná em 1993

Ronaldo Pereira, jovem guerreiro que soube ofertar de forma incondicional a sua vida pelos jovens, missionário da Comunidade de Vida Shalom, faleceu em fevereiro de 1995 em um grave acidente de carro.

Em julho de 1993, a Revista Shalom Maná, publicou entrevista com Ronaldo Pereira sobre o Projeto Juventude para Jesus (PJJ). Confira alguns trechos da conversa com o missionário.

Shalom Maná: Você tem convivido bastante com os jovens, com as suas dificuldades, com o seu entusiasmo e abertura para Deus. Como é a espiritualidade jovem?

Ronaldo Pereira: A espiritualidade do jovem segue aquilo que fala Santo Agostinho, “a Graça supõe a natureza”, então, é influenciada, de certa forma, pela formação humana, cultural e psicológica, e pelo momento que o jovem vive. Esses aspectos naturais interferem na espiritualidade do homem em si. E o jovem traz características próprias em termos de instabilidade, de emocionalidade, em momentos de grande ousadia, em outros momentos de profunda retração. É próprio da juventude os extremos.

Também a falta de perseverança no jovem, sem dúvida, é um dos grandes problemas, mas ao mesmo tempo em que ele tem esse problema, tem muitos outros talentos que Deus lhe deu e que compensam. E Deus, pela Sua Igreja, pelo ministério de Jesus e pelos Santos que trabalharam com jovens sempre mostrou que é no jovem que reside essa semente que Deus quer fazer no seio da Sua Igreja, porque ele traz muitos talentos que compensam essa dificuldade, essa fragilidade, que são naturais do seu desenvolvimento físico, psicológico e humano. Então, a dificuldade da perseverança existe, é um fato, mas, progressivamente, com o amadurecimento da fé e o amadurecimento humano, vai se dissolvendo.

O jovem traz outros talentos: a fé, a ousadia, o vigor, a força de criar coisas novas, o desejo de se doar, de se lançar, que compensam, de certa forma, sua falta de perseverança. E cada vez que surge um jovem que usa esses talentos naturais para buscar a santidade e dar um testemunho vivo, os outros aderem por sua vez a esse grande chamamento de Cristo. Por outro lado, a espiritualidade do jovem sofre essas interferências do seu comportamento natural e humano e exige um trabalho de auxílio e orientação. Tendo conhecimento dessas fragilidades, buscamos, assim, com essa pedagogia, aproveitar o que existe de bom nessa fase tão nobre, que é a fase em que nos abrimos para o mundo, em que somos mais generosos ao nos doarmos para Deus, onde temos uma busca mais radical da vontade de Deus.

Shalom Maná: Quais os frutos do Projeto Juventude na Obra Shalom?

Ronaldo: O grande fruto do Projeto são as transformações de vida dos jovens, que, por meio da evangelização, encontram o Deus Vivo, e aderem a esse chamado de vida nova. Muitos engajados em um grupo de oração têm realmente uma vida nova, uma caminhada para a santidade, outros se engajam mais afincadamente na Obra, assumindo compromissos, e muitos abraçam vocações específicas. Muitos jovens já abraçaram a vocação carmelita, salesiana, outras comunidades da Renovação Carismática e outras ordens religiosas. Grande parte assumiu o chamado à vocação Shalom. E muitos que passaram por grupos de oração de jovens estão hoje em comunidades missionárias.

Acho que o grande fruto do Projeto Juventude não é só para o Shalom, mas para a própria Igreja de Fortaleza (CE), para a Igreja de Deus. Este fruto consiste em que, tendo uma experiência com o Deus Vivo através da evangelização, acabam, numa atitude de louvor e gratidão, doando a própria vida para servir ao Reino de Deus, para morrer em favor de Jesus, através do serviço na Sua Igreja.

Shalom Maná: Em relação ao lazer, é muito comum a ideia de que o jovem cristão não se diverte. Ao mesmo tempo, o Projeto tem incentivado o lazer na juventude. O que você poderia dizer sobre isso?

Ronaldo: Realmente, o que existe é uma mentalidade errada de que o cristão não se diverte. E, na verdade, é vontade de Deus que se resgate também o lazer para Cristo, e é missão nossa, como cristão, ser, para o mundo, modelo de lazer, porque o que vemos é, cada vez mais, acirrarem-se as armas do inimigo através do lazer que o mundo oferece, tendo em vista principalmente a juventude. Esses blocos de carnaval fora de época; nas FM’s, a linguagem que é passada; as mensagens que são introduzidas nas músicas, transmitidas pela televisão, que é talvez, queiramos ou não, uma peça de lazer fundamental na vida de todo ser humano, hoje.

Quantas horas uma pessoa não passa diante de uma televisão? Na verdade, temos criado lazeres alternativos, temos cristificado alguns ambientes. É o que acontece com os jovens cristãos que vão para lanchonetes, numa turma de amigos cristãos e se divertem ou promovem festas nas casas de amigos, com aquela orientação pastoral que a gente dá, no sentido de não haver desvio na seleção de músicas e tudo mais. Então existe essa mentalidade de que o jovem cristão não se diverte, não pode ter lazer porque o mundo apresenta esse cenário acirrado pelo pecado. A verdade é que nós devemos resgatar o lazer.

Visite Museu Virtual Ronaldo Pereira

Livro Escolhi a Santidade

A nova edição do livro Escolhi a Santidade, de Ronaldo Pereira, e adaptado por Emmir Nogueira, traz novo projeto gráfico, nova capa e apresentação de Moysés Azevedo. Para comprar, acesse: http://bit.ly/2RTd3Cw


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *