Igreja

Sacerdotes que defenderam até o extremo o segredo de confissão

Depois que o Arcebispo de Melbourne, na Austrália, Dom Denis Hart, afirmou que prefere ir para a cadeia a quebrar o segredo de confissão, devido uma possível interferência do Estado, o Grupo ACI recorda 4 sacerdotes que defenderam até o extremo o sigilo sacramental.

Em 14 de agosto, a Royal Commission, uma entidade criada na Austrália para investigar os casos de abusos sexuais, propôs que os sacerdotes da IgrejaCatólica quebrem o segredo de confissão em casos de abuso sexual.

Entretanto, o Código de Direito Canônico que rege a Igreja Católica assinala que “o sigilo sacramental é inviolável; pelo que o confessor não pode denunciar o penitente nem por palavras nem por qualquer outro modo nem por causa alguma”.

A seguir, os quatro sacerdotes que defenderam até o extremo o segredo de confissão.

1. São João Nepomuceno

São João Nepomuceno foi um exemplo da proteção do sigilo sacramental, foi o primeiro mártir que preferiu morrer a revelar o segredo de confissão.

Nasceu na Tchecoslováquia entre 1340 e 1350, em Nepomuk.

Quando foi Vigário Geral da Arquidiocese de Praga, o santo foi confessor de Sofia da Baviera, esposa do rei Venceslau. O rei, que tinha crises de raiva e de ciúmes, ordenou que o sacerdote lhe revelasse os pecados da sua esposa. A resposta negativa do santo enfureceu Venceslau, que ameaçou assassiná-lo se não lhe contasse os segredos.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *