Formação

Sagrada Família: lugar de oração e de diálogo

Para os filhos, escutar os pais não é opcional, é um dever. Da mesma forma, os pais devem escutar os filhos.

Amo muitíssimo a Santa Família de Nazaré e não sei por que motivo. Sei que a amo e que muitas vezes me vejo pensando nesta pequena comunidade feita de amor, de trabalho, de oração, e de dificuldades comuns a todas as famílias do mundo e a toda comunidade. Se quando estamos juntos não nos sentimos família, estamos unidos com uma comunhão de papel e tudo se desfaz quando surgem as dificuldades. A de Nazaré vive com intensidade o amor humano e o espiritual. Vive-se uma vida de fé, de esperança, uma vida de trabalho e de comunhão com todos os que vivem por aí na pequena aldeia de Nazaré.

Hoje nós devemos fixar novamente na família como Deus a pensou e a criou, como tem insistido sempre a Igreja ao longo de todos os séculos: homem e mulher com a possibilidade de gerar filhos para o Reino. Onde falta esta união entre homem e mulher com esta possibilidade de poder gerar a vida, uma união fechada, a vida se transforma numa família, não de vida, mas de morte e de egoísmo.

O amor não pode mudar de rosto nem de finalidade

Pensar que o Papa Francisco com o belíssimo documento sinodal sobre a família, a Amoris Laetitia, tem desejado mudar o
rosto e essencialidade da família é uma vergonhosa manipulação de direita e de esquerda do pensamento do Papa Francisco. O amor não pode mudar de rosto nem de finalidade, é ou não é.

Neste domingo, celebramos a festa da Sagrada Família, uma família nômade, peregrina, de imigrantes que devem fugir para salvar a vida do Menino Jesus e a própria vida. Uma família feita de coragem e de esperança.

A família do projeto de Deus e do projeto de Jesus e da Igreja não está em crise, está bem de saúde, teológica, psicológica e
sociologicamente. Quem está em crise são as pessoas que trazem complexos familiares ou perderam de vista a beleza do viver junto e que se encontram num beco sem saída de egoísmo e de suicídio pessoal. É evidente que cada pessoa é livre para viver com quem quer e como quer, esta liberdade nos é dada por Deus, mas querer impor com força e com violência o próprio parecer e a própria visão não tem sentido.

Família à imagem de Deus

O Papa Francisco tem dito com quatro palavras o que pensa sobre a família. Família à imagem de Deus é só, homem e mulher, e ponto final. O resto são famílias de fachada, decorativas, isto não é família. Seria necessário inventar um outro
nome, eu não sou uma pessoa criativa para inventar um outro nome, mas chamaria estas uniões com este nome: dois que vivem juntos, mas nunca o nome de família.

Pode ser que essa introdução faça levantar os cabelos na testa dos carecas. Paciência. Mas a culpa não é minha, mas da mesma palavra de Deus e de Jesus: “Homem e mulher Deus os criou” (Gn 1,27).

Os filhos são um dom de Deus

Podemos deduzir essa afirmação da leitura e da meditação da história de Ana, que todos os dias vai ao templo para suplicar ao Senhor de conceder-lhe um filho. Lendo com atenção esta passagem da Palavra de Deus, ficamos maravilhados e cheios de alegria. Ela não vai oferecer o sacrifício de ação de graças pelo filho recebido de Deus, Samuel, mas Ana não vai e dá a sua belíssima explicação, ei-la: “Eu não irei enquanto o menino não for desmamado. Então o levarei para ser apresentado ao Senhor, e ali ficará para sempre”.

Sabemos que a vida de Samuel foi estar no templo servindo o Senhor e como Deus o chamara para que ele fosse todo dele: “fala, Senhor, que o teu servo te escuta” (1Sm 3,10). É urgente que os pais possam compreender que os filhos são um dos dons de Deus, não são uma propriedade privada, e que devem ser educados para o serviço de Deus e dos irmãos segundo a vocação a qual o mesmo Senhor os chama.

Educar para o serviço de Deus

E belíssimo ler esta leitura em chave familiar. A família particular se amplia na família de Deus, que é a Igreja, do povo, da comunidade. Em todos os grupos deve estar como base a palavra do Senhor, o conhecimento dos mandamentos de Deus. Devemos nos educar reciprocamente no conhecimento de Deus. Quem conhece e pratica os mandamentos de Deus vive nele. Isso nos recorda João, o evangelista. Hoje, nas famílias, perdemos o sentido das coisas de Deus, não nos educamos segundo a lei do Senhor, mas segundo os valores humanos, que não raramente nos afastam dos valores de Deus.

A santa família de Nazaré vive à sombra da Palavra do Senhor e se orienta pela Palavra do Altíssimo. Os pais têm como obrigação educar os filhos na Palavra de Deus, e os filhos educarem depois os seus filhos na Palavra do Senhor, é o mistério da Aliança que não passa, mas continua de geração em geração. Uma família sem Deus não pode subsistir por muito tempo, as tempestades da vida caem e ela se paralisa e se transforma em hotel, para dormir, mas não para viver.

Perda e reencontro de Jesus

É um texto cheio de amor e de bondade, um momento dramático da vida da família de Nazaré, onde por três dias Maria e José são dominados pela angústia, pela tristeza, pela preocupação de terem perdido o filho de Deus tão amado, do qual ele deviam cuidar. Só quem perdeu um filho sabe o que quer dizer esta dor. Pode ser que eu nunca consiga compreendê-la e considerá-la na minha vida. Sou incapaz, mas posso compreender embora com limitação.

A Virgem, com toda delicadeza, repreende o seu filho: “Meu filho, por que agiste assim conosco? Olha que teu pai e eu estávamos angustiados, à tua procura”. E Jesus como todo jovem que faz algo dá a sua explicação que não é plenamente compreendida pelos pais, mas Maria nos ensina o segredo: conservar todas estas coisas no coração.

Jesus voltou para Nazaré e era obediente na escuta dos pais. Escutar os pais não é opcional, é um dever, e os pais devem escutar os filhos, é festa da família. Neste momento em que escrevo a Igreja e o Carmelo celebram a festa de São Luiz e Zélia Martin, os pais de Santa Teresinha do Menino Jesus, um exemplo de família unida, viveiro vocacional, lugar de oração e de diálogo.

Oração

As duas orações que a família deveria rezar sempre junto são o Pai Nosso e Ave Maria. Não esqueça.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *