Formação

Jesus, um coração apaixonado!

Além de manifestar o que Cristo é, Pessoa que se fez homem como nós, seu Coração nos revela o próprio mistério do amor do Pai e do Espírito Santo.

Sabe-se que o culto ao Sagrado Coração de Jesus é uma das devoções mais conhecidas pelo nosso povo, das mais profundamente arraigadas e praticadas, levando em conta o grande número de associações e congregações, dedicadas ou conexas com o Coração de Cristo. Baste citar, como exemplo, o Apostolado da Oração.

Entenda a Devoção das 9 primeiras sextas-feiras

Origem e evolução da devoção

É bastante longa e bela a evolução histórica do culto ao Coração de Cristo. Origina-se do Antigo Testamento, que coloca o coração como sede da nossa sabedoria, dos afetos e sentimentos, até mesmo como elemento unitivo de todas as manifestações humanas espirituais e intelectuais. Este conceito, de sólidas raízes, deveria ser objeto de reflexões antropológicas e psicológicas. É preciso retê-lo, para se poder entender melhor a profundidade do culto ao Coração de Jesus.

No Novo Testamento, o coração aparece como o centro do conhecimento e da doutrina de Jesus, contrária e oposta à doutrina rígida e sem caridade que os fariseus, e muitos doutores da lei e escribas, ensinavam. Assim, em Mt 11,25-28, no chamado “Hino de Júbilo”, Jesus agradece ao Pai por ter revelado seu mistério aos pequeninos e humildes. Ele veio para que se tomasse conhecimento, através de seu Coração, bem próximo ao povo, do mistério de Deus:

“Aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração, e encontrareis descanso para vossas almas” (Mt 11,29-30)

Portanto, Jesus, assim definindo o seu próprio Coração, nos aponta as disposições evangélicas da mansidão, da humildade, da pequenez, do espírito de serviço. Isto fez com que muitos dos ouvintes se achegassem a Ele mais estreitamente, encontrando uma fonte permanente de paz para sanar as angústias da vida e, ao mesmo tempo, um modelo a imitar em todos os momentos.

O ápice da Paixão

O Evangelho de João relata o evento decisivo, para o qual toda a história de Jesus se encaminha, e que é chamado a sua “Hora”. Quando já tinha entregue “o seu espírito” ao Pai (cf. Jo 19,30), tendo sofrido a morte em sua natureza humana, diz o Evangelho: “Vieram, então, os soldados e quebraram as pernas do primeiro e depois do outro, que fora crucificado com ele. Chegando a Jesus e vendo-O já morto, não lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados traspassou-lhe o lado com a lança e imediatamente saiu sangue e água” (Jo 19,32-34).

Este símbolo do coração aberto indica o termo final da obra redentora de Cristo, ofertada a quem dela quiser se apropriar pela fé. Como já profetizara Isaías: “Com alegria tirareis água das fontes da salvação” (Is 12,3)

Do Sagrado Coração de Jesus nascem os Sacramentos

Ensinam os Santos Padres que, dali, nasceram a Igreja, os Sacramentos, enfim, a nova realidade da Redenção. O evangelista, citando o profeta, nos diz: “Olharão para Aquele que traspassaram” ( Jo 19,37 e Zc 12,10).

Sim, temos que olhar! Pois só vamos entender Jesus, quando o olharmos todo machucado, estraçalhado e traspassado, depois de ter dado tudo, Ele dá ainda a integridade do seu próprio Coração físico. A natureza humana desfalecera, mas a Pessoa divina continuava agindo!

Essa contemplação consciente do Coração de Cristo, traspassado, remonta à Idade Média, com a ida dos Cruzados e através das diversas outras peregrinações à Terra Santa, quando entraram em contato com a realidade da vida humana de Jesus. Então, começaram a se concentrar muito na sua Paixão, com todas aquelas terríveis machucaduras: pela flagelação, a coroação de espinhos, as chicotadas e quedas debaixo da cruz e, mais que tudo isso, suas mãos e pés perfurados pelos lancinantes pregos. Surge, assim, a devoção às Santas Chagas do Senhor. Dentre elas, discriminaram o maior significado na chaga central, que resumia todo o Seu sofrimento, chegando ao Coração de Cristo, onde se detiveram: “Olharam para O Traspassado” (cf. Jo 19,37).

Fonte da Redenção

Segue-se a fase dos Santos Padres, dos grandes místicos, Doutores da Sagrada Escritura, que descobriram, concentrada nessa chaga do Coração, a síntese de tudo o que Jesus sofrera e ensinara. Reconheceram, que todos os benefícios da Redenção vieram desse Coração aberto. Assim, desenvolve-se a teologia, a mística e a espiritualidade do Coração de Cristo. A riqueza de Sua interioridade, enquanto Pessoa que ama, que se dá, que chama a si, estava sintetizada, assinalada, porque a chaga, mesmo depois que Jesus ressuscitara, continuou ali, manifestamente fascinante. Então, a interioridade de Jesus começou a ser analisada a partir dessa chaga, momento final de sua história terrena, enquanto obra de salvação, com o desfecho da Ressurreição e da vinda do Espírito Santo.

Um número cada vez maior de santos e santas foi aderindo a essa espiritualidade. Nos tempos mais recentes temos Santa Margarida Maria Alacoque, Santa Gertrudes, Santa Matilde, o Beato Colombière, e tantos outros. A Escola dos jesuítas, a Escola do Cardeal De Berozze, muito conhecida na França, fizeram com que a devoção ao Coração de Jesus fosse quase que central, dentre as devoções que havia em torno da Pessoa de Jesus e do Seu Mistério.

Quem é Santa Margarida Maria Alacoque?

Dizia-se: “No Coração, ali assinalado, nós hoje encontramos um símbolo efetivo da Redenção toda”. Por isso mesmo, começa-se a dizer que o Coração, assim machucado, nos mostra todo o seu amor. Mas o amor de Cristo não se apresenta só “machucado” pela ingratidão dos homens; lá está manifesto o amor que o Pai e o Espírito Santo têm por nós. A história humana desse amor teve o seu ponto culminante na abertura do seu Coração traspassado – doação plena e final, resumo feliz de sua vida terrena.

Quando dizemos que nosso coração pertence a alguém, isto pode significar muito. Mas se nosso coração estivesse aberto, machucado por amor de outro, seria sinal de um amor bem maior. É o que Jesus nos oferece em seu Coração, convidando-nos a nos achegarmos a Ele: “Vinde a mim todos os que estais cansados sob o peso do vosso fardo e eu vos darei descanso” (Mt 11,28).

Evidentemente, para chegar ao Coração de Cristo, isto é, a seu amoroso mistério interior, é preciso percorrer o caminho da assimilação a Ele e de suas qualidades e exemplos. E, quanto mais os nossos corações se tornarem semelhantes ao dEle, tanto mais nós conseguiremos haurir desta fonte extraordinária do seu amor a força para termos um coração novo, um coração humano, sensível, que ama, que se doa e que sabe a razão de suas atitudes perante todos os demais (cf. Ez 11,19).

Sagrado coração de Jesus: um Mistério de Amor

Além de manifestar o que Cristo é, Pessoa que se fez homem como nós, seu Coração nos revela o próprio mistério do amor do Pai e do Espírito Santo. Este amor do Espírito Santo, nós o conhecemos quando ilumina e acalenta. Seu agir, desdobrando-se em obras de salvação, contemplamos no Cristo, como espelho que reflete a eterna comunhão trinitária. Todo o amor que a Trindade tem por nós é comprovado nesse gesto, “louco” para os limitados critérios humanos, mas simbolismo efetivo para os que têm fé.

O Coração que se abre denota o segredo, amplamente revelado para os que se achegam. E é preciso achegar-se a esse Coração, ao mistério interior da Pessoa de Cristo que ama, para que nosso coração, muitas vezes frio, descrente, como que de pedra (cf. Ez 11,19), possa tornar-se um coração sensível, cristão, cristificado, semelhante ao Coração dEle. É preciso contemplar esse Coração traspassado para encontrar o meio de chegar ao “coração novo” do “homem novo”: transformado.

Leia mais

Oração ao Sagrado Coração de Jesus

Sagrado coração de Jesus que tanto nos amou

Devoção ao Imaculado coração de Maria

 

Dom Eusébio Oscar Scheid  – Cardeal – Arcebispo emérito da Arquidiocese do Rio de Janeiro


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *