Shalom

Sair em missão me ensinou a amar e crescer na doação

Fica em mim a certeza de que tudo o que fazemos é pouco por Jesus e que mesmo sendo pouco, Ele o espera receber de nós e transforma esse pouco naquilo que deseja.

Neste ano de 2019, o Papa Francisco proclamou o mês de outubro como o Mês Missionário Extraordinário com a finalidade de que possa “despertar em medida maior a consciência da missio ad gentes e retomar com novo impulso a transformação missionária da vida e da pastoral”. O mês de outubro se inicia com a festa de Santa Teresinha do Menino Jesus, considerada pela Igreja a padroeira das missões e baluarte do Projeto Juventude para Jesus (PJJ) da Comunidade Católica Shalom.

É preciso anunciar a Boa Nova que traz paz e levar aos mais necessitados a misericórdia do Senhor. E estes missionários são chamados a evangelizar, salvar o mundo, levando Deus para a sua terra de missão.

Suelma Sousa, postulante de primeiro ano da Comunidade de Aliança, saiu em missão por dez meses para a cidade de Araraquara em São Paulo, o chamado para ser jovem em missão se deu através do discernimento vocacional e diálogo com as suas autoridades espirituais. Compreenderam então, que este tempo em missão seria importante para que ela percebesse qual era a vontade de Deus em sua vida.

“Fiz o vocacional em 2017 e nesse tempo Deus colocava em mim uma inquietação, eu sentia que Ele me pedia mais, me pedia para partir. No início, eu não compreendia bem essa inquietação, mas a Comunidade foi me ajudando a perceber a condução de Deus, que era muito clara que eu partisse por um tempo para então dar passos mais firmes no discernimento vocacional”, conta Suelma.

Esse tempo como missionária ela pode crescer na sua vida de intimidade com Deus a partir de toda a dinâmica de oração da Comunidade de Vida. “Morar com outros irmãos de locais diferentes, com jeitos e histórias diferentes me ensinou a amar, a crescer na doação e renúncia de si, a encontrar no outro a face e consolo de Deus”, afirma.

O amor realmente salva

Ouvir as histórias das pessoas, tocar, mesmo que um pouco, nas suas dores, poder falar às pessoas do Amor de Deus, da Sua Misericórdia me faziam ter cada vez mais a certeza de que somente Deus pode fazer o homem feliz e pleno.

Tudo o que vivi nesse tempo confirmou a escolha de Deus por mim, o desejo que Ele tem para que eu entregue minha vida livremente a Ele e aos homens, a certeza de que nenhuma de minhas fraquezas, dores ou sofrimentos são desapercebidas por Deus e que Ele as utiliza para realizar a sua obra de Amor em mim, para me salvar e para ajudar todo um povo a encontrar a salvação que é Ele.

Fica em mim a certeza de que tudo o que fazemos é pouco por Jesus e que, mesmo sendo pouco, Ele o espera receber de nós e transforma esse pouco naquilo que deseja.

Suelma Sousa

Leia também

Comunidade de Vida ou Aliança? – por Angela Barroso

Ser Comunidade de Vida – por Daniel Ramos

Ser Comunidade de Aliança – por Denise Landim

20 conteúdos especiais sobre a Vocação Shalom – por Jonas Viana


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *