Notícias

Solidariedade e inclusão fazem parte do Renascer

Ajudar o próximo também é fruto da experiência com o Amor de Deus. Também é via para muitos conhecerem o sentido da gratuidade. Nos três dias do Renascer em Fortaleza, os participantes do evento tiveram a oportunidade de concretizar essa experiência por meio da doação de alimentos e de sangue.

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (HEMOCE) é responsável pela triagem e coleta do sangue daqueles que desejam fazer seu ato de amor ao próximo no Renascer. Já são 16 anos dessa parceria entre o HEMOCE e a Comunidade Shalom, realizadora do evento. Segundo os responsáveis, a doação nesse período do ano é muito importante já que, dependendo do Carnaval, aumenta a necessidade de transfusões de sangue, além de ser uma grande ajuda na manutenção do estoque de bolsas até o pós Carnaval.

Não somente doadores regulares puderam viver esta experiência, já que muitos doaram sangue pela primeira vez. João Rafael, 28, seminarista da Comunidade Shalom é doador, mas não doava sangue há 8 anos. Segundo ele, o Renascer foi a oportunidade que encontrou para voltar a doar. “É uma experiência de ser resposta a uma necessidade das pessoas, de disponibilidade. Foi bem tranquilo e rápido também”, disse.

O que o Papa Francisco diz sobre doação de sangue?

Em 2014, por ocasião do Dia Mundial dos Doadores de Sangue (14 de junho) na Praça São Pedro, o Papa Francisco dirigiu suaspalavras  aos doadores de sangue:“Hoje comemora-se o Dia Mundial dos Doadores de Sangue, milhões de pessoas que contribuem, de modo silencioso, para ajudar os nossos irmãos em dificuldade. A todos os doadores manifesto o meu apreço e convido especialmente os jovens a seguirem o seu exemplo”.

Arrecadação de alimentos não-perecíveis

Mais de uma tonelada de alimentos não-perecíveis foi arrecadada nos três dias de evento para os mais necessitados. Todas as doações são destinadas às obras missionárias e de promoção humana da Comunidade Shalom.

Presença de intérpretes de Língua Brasileira de Sinais

Outro aspecto social do Renascer é a presença de intérpretes de Língua Brasileira de Sinais (Libras) que dão aos deficiente auditivos a oportunidade de participarem ativamente do evento.

Nas missas, o Evangelho é proclamado, nas orações aquilo que é proferido chega aos corações, e nas formações o ensinamento é transmitido, tudo em Libras.

Ilzilene, 49 anos, é deficiente auditiva e veio pela terceira vez ao Renascer. Segundo ela, a presença dos intérpretes é de suma importância para vivenciar bem o evento. “Os surdos, sem os intérpretes, não podem participar bem do Renascer. Por meio deles, nós, não-ouvintes, podemos ter a mesma experiência que alguém que ouve”, partilha.

Há dez anos, os eventos da Comunidade Shalom em Fortaleza, dentre eles o Renascer, contam com o apoio do Ministério de Evangelização dos Surdos. Por meio dele, a Obra Shalom busca alcançar o público surdo com ações de evangelização.

Segundo censo realizado pelo IBGE no ano de 2010, o Brasil tem cerca 2,6 milhões de surdos.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *