Igreja

Cantalamessa na 3ª pregação do Advento: Não há Paz sem fé no amor de Deus

frei raniero

Na terceira pregação do Advento, padre Raniero Cantalamessa explica que a paz interior e no mundo se realizam confiando na certeza de ser amados por Deus

“O homem é fraco e sozinho num universo muito maior do que ele e, além disso, ainda mais ameaçador agora, com as atuais descobertas científicas, as guerras, as doenças incuráveis, o terrorismo… Mas nada disso pode nos separar do amor de Deus. Deus criou todas estas coisas e as têm na sua mão! Deus existe e isto basta!”

Com estas palavras, o padre Raniero Cantalamessa concluiu, esta manhã, a terceira pregação de Advento dirigida ao Papa e à Cúria Romana. O pregador da Casa Pontifícia explicou que a conquista da paz interior e do coração foi o principal trabalho de todos os grandes buscadores de Deus, começando com os Padres do Deserto.

Entre as diferentes correntes, em particular indicou a prática da oração do coração, ou oração ininterrupta, amplamente praticada no Cristianismo Oriental e que o livro “Contos de um peregrino russo” é a expressão mais fascinante.

Não se trata de uma paz vazia e fim em si mesma, disse o capuchinho, mas de uma tranquilidade plena, parecida com aquela dos bem-aventurados, um viver na terra a condição dos santos no céu. Neste sentido citou Santo Agostinho que indicava nas Confissões “o ideal da paz do coração”; um ideal que Dante Alighieri sintetizou no verso: “Na Sua vontade está a nossa paz”.

Segundo o padre Cantalamessa, a concepção de Agostinho da paz interior como a adesão à vontade de Deus tem uma confirmação e um aprofundamento nos místicos. Mestre Eckhart escreveu sobre: “Quanto mais se penetra em Deus, mais se penetra na paz. Quem já tem o seu eu em Deus tem a paz; quem tem o seu eu fora de Deus não tem a paz”.

“Não se trata só de aderir à vontade de Deus, mas não de não ter outra vontade fora a de Deus, de morrer totalmente à própria vontade”; tanto assim que Santo Inácio de Loyola falava de doutrina da “santa indiferença”, ou seja, “colocar-se em um estado de total disponibilidade e acolher a vontade de Deus”. E Jesus disse: “Quem quiser vir após mim, renuncie a si mesmo”.

Para o pregador da Casa Pontifícia, “a experiência da paz interior torna-se o critério principal em todo discernimento. Deve-se acreditar ser vontade de Deus a escolha que, depois de muita ponderação e oração, é acompanhada por maior paz do coração”.

Na história, há uma longa corrente de santos, bem-aventurados e mártires que compreenderam profundamente a paz espiritual: em primeiro lugar, Teresa do Menino Jesus, disse o padre Raniero, como mestra e modelo; em seguida, o mártir heróico do nazismo, Dietrich Bonhoffer, que, enquanto estava na prisão e aguardando a execução, escreveu: “A partir de forças amigas e maravilhosamente envoltos esperamos ansiosos o futuro. Deus está conosco, à noite e pela manhã, estará conosco todos os dias novamente”. Ou até mesmo São Francisco de Assis, que – disse Cantalamessa – superou a tristeza e as preocupações por causa da resistência de alguns confrades ao seu ideal alegando que “Deus existe, e é o suficiente!”

“Para superar quaisquer preocupações e reencontrar cada vez a paz de coração, é preciso confiar na certeza de ser amados por Deus”, destacou. Citou, portanto, São Paulo que na Carta aos Romanos escreveu: “Nem a morte nem a vida, nem os anjos nem os principados; nem presente nem futuro, nem potências, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus em Cristo Jesus nosso Senhor”.

Antes de terminar a sua terceira e última pregação do Advento, pe. Raniero Cantalamessa, pediu paz entre o céu e a terra, entre todos os povos e aquela nos nossos corações, concluindo com uma conhecida citação de Santa Teresa de Ávila: “Nada te perturbe, nada de assuste; tudo passa, Deus não muda; a paciência tudo alcança; quem tem Deus nada falta. Só Deus basta”.

 

Fonte: Zenit


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *