Formação

Frei Patrício: Vestidos para a festa

O caminho é sempre o mesmo, a conversão.

Caminhamos com alegria e com passo rápido para o Natal, o dia em que o mundo mudou para sempre, a tristeza foi embora, o luto foi substituído pela alegria de uma vida nova; não há motivos, depois do nascimento de Jesus, para ter a cara fechada, pessimista e sem esperança no futuro. Ao mesmo tempo, devemos compreender que o nascimento de Jesus não é um conto de fadas que vai mudar tudo sem nenhum esforço humano. Nada disso. O mundo muda com a cooperação de três pessoas: DEUS, EU E OS OUTROS.

Quando vem a faltar essa cooperação, nada se resolve. Uma coisa é certa: Deus sempre coopera e nunca nega a Sua ajuda; eu e os outros muitas vezes nem falamos neste trabalho de cooperação. Quando o ser humano se nega e se recusa a cooperar, Deus continua a chamar à cooperação, mas Ele tem necessidade de nós. O mundo de hoje está mais preocupado com a morte do que com a vida… É terrível tudo isso. A nossa preocupação não pode ser com a cultura da morte, esta é a cultura de cemitério, “deixa que os mortos enterrem seus mortos” (Mt 8,22); somos chamados à cultura da vida, mas da vida de qualidade, de bem-estar, de paz, de amor e não uma vida que gera medo. Jesus veio para mudar a história, passar do lucro ao amor, da indiferença à atenção; é um caminho que o Evangelho aponta diante de nós através da estrela do Natal, através do amor e dos cânticos que os anjos farão na noite da vida: “glória a Deus no mais alto do céu e paz na terra aos homens e mulheres de boa vontade. ” (Lc 2,14).

Desde sempre os anjos provaram este canto para semear sobre a terra uma chuva de paz e de alegria. Devemos vestir a roupa de festa, sair pelas ruas afora não vestidos de Papai Noel e nem de máscaras para nos esconder; devemos sair com o rosto descoberto e com o sorriso. Nesta semana, ontem, tivemos a solenidade da Imaculada Conceição, esta solenidade em que Deus dá de presente a Maria o dom de ser livre do pecado original, uma infecção que nos veio pelo pecado de Adão e Eva. Maria foi vacinada pela graça de Deus.

 Nesta semana, temos a festa de São João da Cruz, um santo que na Igreja é guia pelos caminhos obscuros que levam à luz do encontro com Deus. Sua doutrina, seu exemplo muito nos ajuda a compreender que não são as estruturas e nem os tempos em que vivemos que fazem os santos, mas sim a abertura que nós temos no nosso coração para acolher a palavra do Senhor em nossa vida e transformá-la em prática. Vivemos num mundo, seja humano, social ou eclesial de muitos mestres que não são mestres. Precisamos voltar-nos aos verdadeiros mestres, que nunca eliminam a cruz da vida, mas dela fazem caminho que leva para o céu.

 Alegria… Paz… Glória… Justiça (Cf. Br 5,1-9)

 Se fizermos uma leitura atenta deste texto que a Igreja nos propõe de Baruc, escutaremos várias vezes repetir as palavras-chave que devem abrir a porta da Nova Aliança. É necessário depor as vestes de tristeza e de luto, de pessimismo em si mesmo e de crer que o projeto de Deus fracassou, e vestir-se de novas vestes e de nova linguagem profética, mas real, como a alegria e a paz. Justiça e glória são palavras carregadas de otimismo, não bobo, mas fundamentado sobre a fé. O Senhor vem pelos profetas, mas irá chegar o tempo em que ele virá em pessoa para mostrar-nos todo o Seu amor. Nunca Deus poderá desanimar de salvar o ser humano que Ele mesmo criou por amor, com amor e para o amor. É um caminho através do deserto da noite, mas que um dia será luz e jardim fértil.

 A glória de Deus é a nossa missão (Cf. Fl 1,4-6.8-11)

Paulo Apostolo é otimista, cheio de esperança e sente que a comunidade de Filipos está crescendo nas obras de amor e no conhecimento da pessoa de Jesus. Está feliz, mas a sua felicidade não é para si mesmo, mas para o Senhor, que derramou nos corações da comunidade a graça e a bondade. Tudo o que fazemos e dizemos deve ser para a honra e glória de Deus. Devemos sempre ter cuidado para não buscar na evangelização a nossa glória e honra. Seria fumaça do diabo, que nos engana, não somos nós que fazemos, mas é Deus que opera em nós. Ser missionário da encarnação comporta sempre o pleno esquecimento de si mesmo; anunciamos não a nós mesmos, mas a Jesus.

 A Palavra de Deus desce no deserto (Cf. Lc 3,1-6)

Não há atualização do mistério da salvação sem a cooperação dos homens. Deus não desiste de salvar a cada um de nós, e por isso envia os seus profetas, que não se encontram nas salas de espera “vip” e nem no meio dos prazeres e do poder, mas que vem do deserto e voa ao deserto para escutar o que Deus diz. João Batista está no deserto e Deus vai chamá-lo para que retorne no meio do povo e anuncie o novo batismo de penitência, porque o tempo da vinda do Salvador, do sol da justiça, está perto.

A Igreja é sempre profética e percorre continuamente o seu caminho da cidade ao deserto e do deserto à cidade. São tempos necessários para um verdadeiro e autêntico profetismo de qualidade e de credibilidade.

Deus nos abre uma estrada nova: Jesus. Cabe a nós, porém, aceitá-la e percorrê-la com alegria. Uma estrada nova, a Igreja, a nos aceitar, o nosso sair para as periferias e os desertos do mundo, uma estrada nova, o mundo, para que nós sejamos no mundo uma luz, uma voz que clama e chama a uma conversão, a uma acolhida dos últimos, dos pobres e dos pequenos.

É tempo de fixar os nossos olhos no Cristo Jesus que, nascido da Virgem Maria, veio. Ele vem e ele virá a cada cristão que nele crer e tiver a habilidade de atualizar esta vinda do Salvador. O caminho é sempre o mesmo, a conversão.

Oração

Senhor, chama-me da cidade ao deserto para Te escutar. Envia-me do deserto à cidade para anunciar a Tua vinda. E que eu possa também abrir uma estrada nova e indicá-la aos meus irmãos e irmãs, a estrada da conversão, sendo eu um convertido que dá testemunho de Jesus, verdade, caminho e vida. Amém.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *