Shalom

Ainda que tenhamos ganhado o mundo todo, se não tivermos vivido a nossa vocação ao amor, teremos vivido uma vida sem sentido

Mães, esperança de Deus
“Por isso, eis que, eu mesmo, a seduzirei, conduzi-la-ei ao deserto e falar-lhe-ei ao coração.
Dali lhe restituirei suas vinhas, e o vale de Acor será uma porta de esperança” (Oséias
2,16-17).
Segundo o rodapé da bíblia de Jerusalém, o vale de Acor (um dos vales dos arredores de
Jericó, que dão acesso ao interior do país) foi o lugar de ato de infidelidade a Deus. Seu
nome significa vale da desgraça (segundo Jz 7,26). Este mesmo vale se tornará porta de
esperança, dando acesso a uma Terra Santa renovada.
Vivemos sob o peso de uma cultura de morte e talvez não nos damos conta do quanto isso
nos faz cair espiritualmente, emocionalmente e fisicamente numa profunda desesperança,
onde o valor da vida humana tem sido cada vez mais trocado pela posse de bens materiais.
Mas há esperança! Há um lugar que Deus quis iniciar a sua obra nova de salvação e ecoar
por toda eternidade: o corpo da mulher.
A eterna canção de amor de Deus ecoa com força de urgência em nossos tempos e como
homens e mulheres, criados à sua imagem e semelhança, precisamos ouvir e reproduzi-la
em nossas corpos. O corpo da mulher foi criado para ser esse lugar de esperança, como
uma bela e harmônica sinfonia. Infelizmente, o pecado, as ideologias, as feridas nos deixam
perdidos e vazios, não sabemos mais ouvir o que Deus diz através da nossa corporeidade.
Queremos negar a fecundidade, como se fosse uma doença, o que na verdade é um dom
que reflete o Criador.
Imagine quando damos um presente muito belo para alguém e ele é recebido como um
problema a ser eliminado? Seria grande a nossa frustração!?
Mas a promessa de Deus é que esse lugar tido como desgraça torne-se novamente um
lugar de esperança, um portal que dará acesso a uma Terra Santa renovada. É preciso
viver uma acolhida profunda do corpo feminino, suas características, suas fragilidades.
As promessas de felicidade para a mulher, que o mundo oferece, são inúmeras se ela
rejeitar o dom da maternidade: segurança profissional, liberdade, beleza estendida etc.
Porém, há uma felicidade que está na nossa essência: amar até as entranhas, ser no
mundo um sinal visível do amor misericordioso de Deus. Existe uma capacidade de amar
muito particular dada por Deus a mulher e é de grande frustração não conhecermos esse
amor ao longo da vida.
Ainda que tenhamos ganhado o mundo todo, se não tivermos vivido a nossa vocação ao 
amor, teremos vivido uma vida sem sentido. A mulher é chamada a amar, a dar-se, seja
numa vocação matrimonial ou numa vida consagrada ao celibato. O dom precioso da
maternidade é para as duas, seja biológica, seja espiritual. E enquanto o mundo fala dessa
alegria momentânea de gastar a vida em vista de si mesma, a palavra de Deus nos chama
a viver a alegria aqui que já aponta para o céu.
A alegria da maternidade é uma alegria escondida, como o Magníficat de Maria que foi
cantado dentro de uma casa, sem likes e visualizações de stories. Alegria que se dá em
pequenas coisas, mas que carregam um sentido profundo de eternidade: quando o filho
come toda a comida, quando o bebê aprende a andar, quando a pneumonia vai embora…
Uma mãe vive dessas pequenas alegrias e de uma maneira simples, cotidiana e escondida
aos olhos do mundo, que vai ecoando a melodia do amor redentor de Deus pela
humanidade, que quis fazer sua obra no ventre de uma mulher. Ele atualiza seu mistério de
amor no corpo de cada uma de nós, quando no deserto do mundo, paramos para ouvi-lo e
nos deixamos seduzir por sua voz cheia de doçura a nos conduzir para o amor que não
passa! Num mundo cheio de desesperança, a mãe será sempre um motivo de esperança.
Que nesse dia das mães,nossos ouvidos sejam despertados para a eterna canção de amor
de Deus e que possamos nos abrir à uma renovada graça de alegria pelo dom que nos foi
dado.
“Obrigado a ti, mulher-mãe, que te fazes ventre do ser humano na alegria e no
sofrimento de uma experiência única, que te torna o sorriso de Deus pela criatura que é
dada à luz, que te faz guia dos seus primeiros passos, amparo do seu crescimento,
ponto de referência por todo o caminho da vida”(São João Paulo II).
Texto por Viviane Lopes, mãe, Consagrada da C.C. Shalom.
A Comunidade Católica Shalom convida para o Jantar das Mães, neste
sábado, dia 11, às 19:30, na Comunidade São Paulo Apóstolo, Aparecida SP.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *